Faltam estímulos a soluções alternativas

iG Minas Gerais |

O consultor de energia Antenor Lima afirma que, se houvesse mais incentivo à energias alternativas, os investimentos seriam menores. “No Norte de Minas, por exemplo, a energia vem de longe e, quanto mais distante, maior a instabilidade e maior a chance de queda no sistema. Lá tem um enorme potencial de energia eólica, solar e de biomassa de madeira, devido às plantações de eucalipto. Se houvesse um programa de subsídios para incentivar a criação de pequenas usinas, as perdas de energia seriam reduzidas e a sua qualidade como níveis de tensão seriam melhorados com a geração distribuída e os investimentos em linhas de transmissão seriam reduzidos”, afirma.

O consultor lembra que, no Carnaval deste ano, a Serra do Cipó chegou a ficar 36 horas sem luz. A Cemig informou que vai operacionalizar mais três alimentadores para a região, ainda neste ano.

“A solução pelo lado da oferta é boa, mas é melhor e mais racional atuar, também, na gestão do uso, deslocando o consumo de energia em todo o Estado, aliviando os alimentadores no horário de pico e reduzindo o custo de novos alimentadores, e por consequência, os custos das tarifas”, sugere Lima. (QA)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave