Preço alto de carro novo faz cliente procurar usado

Venda de zero quilômetro caiu 4,5% de janeiro a abril

iG Minas Gerais |

Montadoras repassaram alta de custos para o preço dos carros
Alex de Jesus - 17.1.2013
Montadoras repassaram alta de custos para o preço dos carros

São Paulo. Alta de preços e fim do crédito farto derrubaram em 4,5% as vendas de automóveis e comerciais leves novos no primeiro quadrimestre. No segmento de usados, o resultado é inverso, com crescimento de 5% nos negócios. Como resultado, a relação entre número de carros usados vendidos para cada novo voltou à média histórica de três por um, que não era registrada desde 2007, e as lojas reclamam de falta de produtos.

Apesar da melhora nas vendas, que de janeiro a abril somam 3,049 milhões de veículos (sem caminhões e ônibus), os preços dos usados seguem desvalorizados. Segundo o presidente da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), Flávio Meneghetti, o preço dos carros novos teve alta de 4% a 5% neste ano, percentuais que não foram acompanhados pelos seminovos. O analista de mercado da consultoria Molicar, Vítor Meizikas, diz que, apesar da forte concorrência, as montadoras repassaram ao consumidor parte do aumento em razão da alta do IPI em janeiro e da inclusão de airbag e freio ABS em vários carros.

Já os usados não conseguiram acompanhar o movimento, ampliando assim a distância de preço para o zero quilômetro. Nos modelos mais caros, a depreciação é maior. Para comprar hoje um Fiat Bravo Absolute, que custa R$ 62 mil, o dono de igual versão com dois anos de uso precisa desembolsar mais R$ 15 mil. Para um Gol 1.0, a diferença é de R$ 6,7 mil. Meizikas ressalta que a desvalorização do usado se acentuou nos últimos anos em parte por causa da facilidade de se adquirir o novo e em parte pela rapidez com que os carros são atualizados.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave