Interpretação com duas caras

Henrique Guimarães comemora a oportunidade de dois papéis em “Pecado Mortal”, trama da Record

iG Minas Gerais | Belisa taam |

“A construção de cada personagem foi bem sutil, mas trouxe a energia de um para outro, até por serem pai e filho”
Record
“A construção de cada personagem foi bem sutil, mas trouxe a energia de um para outro, até por serem pai e filho”

Logo em seu primeiro trabalho na televisão brasileira, Henrique Guimarães exerceu uma dupla função. No início da trama de “Pecado Mortal” – folhetim de Carlos Lombardi exibido na Record –, o ator interpretou o bicheiro italiano Michelle na fase jovem. Em seguida, após a passagem de tempo ainda no primeiro capítulo da novela, Henrique passou a viver o surfista Juliano Vêneto, papel fixo na trama.

Para ele, exercer dois personagens na mesma produção foi algo que o instigou muito desde o momento inicial, no teste de elenco realizado pela produção da trama. “Procurei não ficar estereotipado. A construção de cada personagem foi bem sutil, mas trouxe a energia de um para outro, até por serem pai e filho”, explica Henrique Guimarães.

Para retratar um jovem ambientado na década de 1970, Henrique baseou seu estudo de composição nas histórias de pessoas próximas ao seu cotidiano e que viveram sua juventude no período, para entender como se portavam os jovens brasileiros dos anos 70. “Ouvi muito meu pai. Pesquisei até o tipo de carro que ele usava”, conta o ator.

Mesmo com diversas peças de teatro em seu currículo, o ator de 31 anos se mostra animado com a oportunidade de mergulhar em um cenário, até então, diferente de sua trajetória artística. “O ator tem de estar disponível e pronto para atender o que lhe é solicitado”, finaliza.

Preferências Ator: Benicio Del Toro Atriz: Natalie Portman Com quem gostaria de contracenar: Wagner Moura Se não fosse ator, o que seria: Arquiteto Humorista: Mussum Vilão: Marlon Brando, de “Um Bonde Chamado Desejo” Filme: “A Última Tentação de Cristo”, de Martin Scorsese Autor: Carlos Lombardi Diretor: Luiz Fernando Carvalho O que falta na televisão: Inovação O que sobra na televisão: Repetição Melhor programa de humor: “Os Trapalhões”, da Globo

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave