Com 'as cores da seleção', Cruzeiro bate o Coritiba em casa

Apesar do receio de alguns torcedores, o grupo estrelado não demonstrou abatimento em campo após a eliminação na Libertadores

iG Minas Gerais | DÉBORA FERREIRA |

undefined

Vestir as cores da seleção brasileira parece ter feito bem ao Cruzeiro. A equipe não só venceu o Coritiba por 3 a 2, no Mineirão, mas voltou a demonstrar seu poder ofensivo e o quarteto de ataque, formado por Everton Ribeiro, Dagoberto, Ricardo Goulart e Borges, atuando juntos novamente.

Apesar do receio de alguns torcedores, o grupo estrelado não demonstrou abatimento em campo após a eliminação na Libertadores. Sob os olhares do público modesto que foi apoiar seu time, o elenco teve trabalho para furar a marcação dos alviverdes, mas contou com um passe de qualidade e noite inspirada dos atacantes para balançar as redes adversárias.

A torcida pediu raça para buscar o tetracampeonato, e foi mesmo o que se viu em campo. Logo aos 10 min, Everton Ribeiro viu Ricardo Goulart na área e intermediou para Egídio, na esquerda, que completou a jogada para o atacante abrir o placar e marcar seu primeiro jogo no Brasileirão.

Como impunha um ritmo intenso na frente, o Cruzeiro tinha poucos problemas com a defesa. O problema estava em Alex, ídolo do Cruzeiro, que em seu primeiro reencontro com a Raposa após quase 11 anos, não perdoou e recebeu sozinho de cabeça na área e devolveu o gol.

Daí para a frente, os visitantes saíram para tentar marcar pressão e causaram ansiedade na torcida. E foi justo neste momento que Ricardo Goulart teve que sair do campo para arrumar as chuteiras, o árbitro não liberou sua volta e a torcida ficou ainda mais nervosa. Somente quando o time da casa roubou a bola e mandou para fora que o jogador conseguiu voltar.

Os cruzeirenses logo recuperaram o domínio do jogo, e viram outro destaque aparecer. O atacante Borges, que não havia nem sido relacionado para a partida de quarta-feira,foi o que menos apareceu do quarteto, mas deixou a sua marca, justamente no gol que selou a vitória celeste.

Marcelo Oliveira mexeu na equipe, colocou Willian no lugar de Henrique e tentou aumentar a pressão sobre o Coxa. A estratégia, em parte funcionou bem, mas por outro lado, a equipe começou a tomar pressão nos momentos finais, sem sucesso.