Benefício ocorre mesmo em esteira

iG Minas Gerais | Gretchen Reynolds |

Nova York. Para testar outra implicação das caminhadas na criatividade, Marily Oppezzo passou a realizar os testes em espaços abertos. “A maioria das pessoas provavelmente diria que andar em espaços abertos seria bem melhor para a criatividade” do que andar dentro de um escritório sem graça.  

Mas, surpreendentemente, o estudo não confirmou a suposição. Quando os voluntários perambularam pelo agradável campus de Stanford por cerca de oito minutos, geraram mais ideias criativas do que quando se sentaram dentro ou fora da sala ao longo do mesmo período de tempo. Porém, não foram mais criativos do que quando caminharam na esteira, de frente para uma parede branca. “Tudo indica que o que importa é o ato de caminhar”, em termos do aumento. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave