Símbolos do poder são revisados em criações

Na mostra “Capital”, Ricardo Burgarelli recorre à história para questionar realidades políticas e econômicas

iG Minas Gerais | CARLOS ANDREI SIQUARA |

Rostos de chefes de governo são ressaltados em gravuras e instalações
Ricardo Burgarelli
Rostos de chefes de governo são ressaltados em gravuras e instalações

Duque de Caxias, Floriano Peixoto, Muammar Kadafi, Sadam Husseim e a Rainha Elizabeth II são alguns dos rostos já impressos em notas de dinheiro que circularam no Brasil, como é o caso dos dois primeiros, e na Líbia, no Iraque e na Inglaterra, respectivamente. Esse mesmo repertório visual serviu como referência para as obras que o artista Ricardo Burgarelli apresenta na exposição “Capital”, montada na Galeria de Arte do BDMG Cultural.

Ao destacar a representação de personalidades políticas atreladas a diferentes tipos de governo, o artista diz ressaltar, especialmente, as relações travadas entre a política e a economia em diversas sociedades. “Acho que é bastante clara a ligação entre o poder e o capital, ali representado pelo dinheiro. Essa é uma aproximação bastante antiga e que fica evidente quando observamos essas cédulas”, observa Ricardo Burgarelli.

Na exposição, 20 impressões mapeiam cédulas de vários lugares. Além, delas também é exibido um trecho do filme “A Quem Pertence O Mundo” (1931), com direção de Slatan Dudow e roteiro de Bertolt Brecht. Para ele, o trecho contribui para refletir sobre o papel social e o significado dessas referências monetárias.

“A face do chefe de Estado na cédula ganha o status de herói da nação. Eu quis subverter essa função, abrindo espaço para a possibilidade de refletir sobre as estratégias desse material”, explica o artista.

Serviço. Mostra “Capital”, na Galeria de Arte do BDMG Cultural (rua Bernardo Guimarães 1600, Lourdes). Visitação: até 8/6, de 2ª a dom., das 10h às 18h. Entrada franca.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave