Apoio de parceiros pode ajudar na contratação de grandes nomes

UFJF e Moda-Maringá são apenas dois times que buscam investidores para fechar com jogadores de qualidade para a próxima temporada; André Nascimento e Henrique estão na mira das equipes

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

ESPORTES BH MG: LANCES DA PARTIDA ENTRE SADA FUNEC X VOLEISUL  VALIDA PELA SEXTA RODADA DO RETURNO DA SUPERLIGA SERIE B.  NA FOTO: ANDRE NASCIMENTO, OPOSTO DO VOLEISUL

FOTOS: DENILTON DIAS / O TEMPO / 26.02.2014
DENILTON DIAS/ O TEMPO
ESPORTES BH MG: LANCES DA PARTIDA ENTRE SADA FUNEC X VOLEISUL VALIDA PELA SEXTA RODADA DO RETURNO DA SUPERLIGA SERIE B. NA FOTO: ANDRE NASCIMENTO, OPOSTO DO VOLEISUL FOTOS: DENILTON DIAS / O TEMPO / 26.02.2014

A realidade financeira da maioria dos times de vôlei no país não é confortável. Durante toda parte ativa da temporada, é necessário se desdobrar para arcar com todos os custos de salários e despesas. As dificuldades econômicas continuam aparecendo entre uma temporada e outra, quando contratações, renovações e dispensas tomam conta dos noticiários.

Sabendo das limitações que existem para reforçar o elenco, uma das opções que parecem ser comuns a mais de um clube, é buscar por parceiros para a chegada de importantes jogadores.

É o caso da UFJF, que costuma ter um orçamento limitado na sua participação na elite brasileira. Considerado um time de pequeno porte, uma parceria seria muito bem-vinda para a contratação de um dos maiores desejos para a próxima Superliga: a do oposto André Nascimento.

O jogador, que reside em Florianópolis, atuou na última temporada pelo Voleisul-Paquetá Esportes-RS, que chegou na final da Superliga B. Para contar com os serviços do jogador, a equipe de Juiz de Fora procura por alguém que ajude a bancar seus salários.

"Claro que existe o interesse em um atleta de qualidade como é o caso do André. Mas, até agora, não temos nada de concreto. Seria uma contratação de peso e precisaríamos de um suporte. A nossa situação atual, em relação a contratações, é limitada, mas estamos trabalhando para montar um time forte. O processo de análise e busca de jogadores está só começando", destaca Maurício Bara, diretor técnico da equipe.

O fato dos pais de Nascimento residirem em Juiz de Fora poderia ajudar na chegada do jogador ao interior mineiro. "Ele é um filho da casa, tem família aqui e isso poderia pesar. Mas ele precisaria analisar toda a situação com seus parentes, verificar se estariam dispostos a sair de Santa Catarina", comenta o diretor, que elogiou a experiência e qualidade do oposto. 

As conversas com o técnico Chiquita seguem firmes para montar o elenco. Uma das ausências já garantidas é do central Tales, que foi para o Sesi-SP. "Queremos manter algumas peças do elenco e fazemos questão destas permanências", acredita Bara. O Voltaço Vôlei-RJ também tem interesse no jogador.

Time do Paraná de olho em central do Minas

O mesmo acontece com o Moda-Maringá-PR, que monta um time ainda mais forte. Já foram confirmadas as chegadas de importantes nomes, como do oposto Rivaldo e do ponta Diogo, ambos vindos do Brasil Kirin, do líbero Brendle, ex-Montes Claros, além do central e oposto venezuelano Iván Marquez. Quem também acertou com o time do interior paranaense é o ponta e oposto Sanchez, que estava no vôlei da Coreia do Sul e tem passagem pelo Sada Cruzeiro.

Apesar das confirmações, o time ainda busca por um central. O nome mais cotado é de Henrique, do Vivo-Minas. A reportagem de O Tempo apurou que o time também corre atrás de um investidor para trazer o meio-de-rede, com fortes raízes em Belo Horizonte. Quem está já fora do time é o central Acácio.

Procurado, o técnico Horacio Dileo, que comandou Henrique durante duas temporadas na capital mineira, confirmou o interesse. "Ele é uma figura humana excepcional e um dos jogadores mais profissionais que já tive o prazer de trabalhar. Para mim, seria um orgulho estar ao lado dele novamente", indica Dileo, que prefere ter os pés no chão com as novidades que chegam.

"Não sei se teremos um time mais forte do que no ano passado. Diferente, certamente. Mas, será preciso transformar a teoria em prática. Temos que esperar os trabalhos começarem para fazermos dos nomes um time de qualidade. Teremos uma interessante mescla de experiência e juventude", revela Dileo.

Outro nome que interessa ao Maringá é do central brasileiro Junior, que está o UPCN-ARG.