Justiça proíbe servidores municipais de fechar ruas e avenidas de BH

Decisão deferida pelo desembargador Caetano Levi determina que os grevistas ocupem apenas uma pista de rolamento durante os protestos

iG Minas Gerais | Bruna Carmona |

CIDADES. BELO HORIZONTE, MG.

TRANSITO

Manifestacao da greve geral dos servidores publicos de BH reune milhares de pessoas em caminhada sentido a prefeitura

FOTO: LINCON ZARBIETTI / O TEMPO / 14.05.2014
Lincon Zarbietti / O Tempo
CIDADES. BELO HORIZONTE, MG. TRANSITO Manifestacao da greve geral dos servidores publicos de BH reune milhares de pessoas em caminhada sentido a prefeitura FOTO: LINCON ZARBIETTI / O TEMPO / 14.05.2014

Os servidores públicos municipais de Belo Horizonte estão proibidos de fechar totalmente ruas e avenidas da cidade em suas passeatas. Uma decisão liminar deferida pelo desembargador Caetano Levi determina que os grevistas ocupem apenas uma pista de rolamento durante os protestos.

De acordo com a liminar, pelo menos duas pistas deverão ficar livres, sob pena de multa diária de R$ 15 mil por faixa ocupada.

O presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Belo Horizonte (Sindibel), Israel Arimar, afirmou que o sindicato recebeu a notificação na noite desta quarta-feira (14) e vai cumprir a determinação. Segundo Arimar, a medida não deve surtir o efeito desejado pela prefeitura, já que o mesmo número de manifestantes terá que passar por um espaço menor durante as passeatas. "Uma manifestação que geralmente dura 40 minutos passa a demorar quase duas horas, é ineficaz essa medida", disse o presidente. 

Na tarde desta quarta-feira, os servidores rejeitaram a proposta de reajuste oferecida pela prefeitura e decidiram pela manutenção da greve, que já dura mais de uma semana.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave