Cícero é poupado e Damião pode ser baixa por 60 dias

Dupla está no departamento médico e deve ser substituída por Geuvânio e Mena no duelo com o Princesa do Solimões, pela Copa do Brasil

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Leandro Damião é a grande esperança de gols da equipe santista nesta temporada
FLICKR OFICIAL/SANTOS/DIVULGAÇÃO
Leandro Damião é a grande esperança de gols da equipe santista nesta temporada

O técnico Oswaldo de Oliveira terá duas baixas importantes para o jogo do Santos contra o Princesa do Solimões, nesta quinta-feira, pela Copa do Brasil. Leandro Damião e Cícero foram vetados pelo departamento médico nesta quarta e são desfalques certos para o duelo a ser disputado na Vila Belmiro.

Cícero virou baixa somente nesta quarta ao se ausentar do treino por causa de uma dor de garganta. Como o Santos só precisa de um empate para garantir a vaga na próxima fase da competição, o treinador decidiu poupá-lo, visando a sequência do Brasileirão, no confronto com o Atlético Mineiro, no domingo.

No lugar de Cícero, Oswaldo confirmou a escalação de Geuvânio, que voltará ao time titular. Assim, o Santos terá novamente um sistema com três atacantes. Gabriel e Thiago Ribeiro serão os outros dois homens do setor ofensivo.

Na defesa, o técnico também garantiu o retorno de Mena, que só esperado para o fim de semana. Assim, o Santos deve começar jogando nesta quinta-feira com Aranha; Cicinho, Jubal, David Braz e Mena; Alison, Arouca e Lucas Lima; Geuvânio, Gabriel e Thiago Ribeiro.

Ao fim do treino, Oswaldo minimizou as mudanças na equipe. "São jogadores que já jogaram, o Mena, o Geuvânio, inclusive jogou contra o Princesa do Solimões. Espero que não mude nada, a equipe vai jogar da mesma forma que tem jogado. Simplesmente procuro adaptar a equipe a cada jogador que entra, mas a composição tática permanece", disse o técnico.

Outra baixa do Santos será Leandro Damião, que teve confirmada uma inflamação no púbis. Ele deixou o treino de terça mais cedo e nem chegou a participar das atividades desta quarta. De acordo com o médico Rodrigo Zogaib, não há prazo certo para o retorno do atacante.

"Não posso dar um número exato de dias, medicina não é matemática, envolve uma série de coisas. Vamos monitorá-lo e ver a melhora clínica e radiológica", declarou o médico, que cogitou a possibilidade de o jogador ficar fora por até 60 dias.

"Tem duas formas de lidar: 30 dias ou 60 dias. Em 30 dias tenho uma programação para 25 dias de treino lá dentro e os últimos cinco no tratamento em outdoor [ao ar livre], com gestos esportivos e até talvez com bola. Vai depender do quadro dele", declarou Zogaib.