Movimentos prometem grande manifestação para esta quinta-feira (15)

Esta quinta-feira (15) foi escolhida para ser o Dia Internacional de Lutas conta a Copa, que será marcado por manifestações por todo o mundo

iG Minas Gerais | JOSÉ VÍTOR CAMILO |

Vários eventos diferentes foram criados no Facebook convocando para a grande manifestação
Reprodução/Facebook
Vários eventos diferentes foram criados no Facebook convocando para a grande manifestação

Com a promessa de levar até cerca de cinco mil pessoas às ruas de Belo Horizonte nesta quinta-feira (15), vários movimentos sociais da capital organizam uma grande manifestação para o Dia Internacional de Lutas contra a Copa do Mundo de 2014, que foi nomeado como 15M. A promessa do Comitê Nacional dos Atingidos pela Copa é de manifestações em 16 cidades brasileiras, sendo Belo Horizonte e Uberlândia, no Triângulo, as duas mineiras a participarem. Em BH, participarão do protesto integrantes de vários movimentos distintos, como Tarifa Zero, Direito à Cidade e Família de Rua. 

Além das cidades mineiras, os protestos estão previstos para acontecer em São Paulo, Brasília, Porto Alegre, Salvador, Vitória, Cuiabá, Curitiba, Rio de Janeiro, Recife, Belém, São Carlos, Sorocaba, Campinas e Fortaleza. Além disso, o movimento promete manifestações no Chile, Espanha, Portugal, Estados Unidos e Alemanha. Na última segunda-feira (12) a embaixada brasileira na Alemanha foi alvo de vandalismo.

Segundo Ana Caroline Azevedo, de 19 anos, que é integrante do movimento Tarifa Zero, cada movimento de Belo Horizonte criou um evento no Facebook para convocar para o Dia de Mobilizações contra a Copa, que ficou conhecido como 15M. "Somente no evento do Tarifa Zero estão confirmadas 1.200 pessoas. Como são vários, estamos acreditando que possa chegar até a cinco mil manifestantes", diz a jovem. 

O aumento da passagem do transporte público na capital também será um dos temas da mobilização. "O objetivo principal é a bandeira do Direito à Cidade, mas vamos juntar as lutas, já que aumentar a passagem altera o direito da população", afirmou Ana Caroline. 

Os eventos criados no Facebook marcam a concentração do 15M para às 17h na praça Raul Soares, no Centro de Belo Horizonte. O objetivo é marchar até a porta da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) onde será realizada uma roda de conversas  em torno de diversos temas relativos à cidade, como moradia, mobilidade urbana, democratização dos espaços públicos, liberdade de expressão, impacto da Copa, desmilitarização da polícia, entre outros assuntos. 

Além disso, os manifestantes pretendem realizar um Duelo de MC's em frente à PBH e, também, " uma pelada de futebol marota na Afonso Pena", como afirma o texto do evento do Direito à Cidade. 

Alerta no WhatsApp

Durante toda esta quarta-feira (14) circulou pelo aplicativo de mensagens instantâneas uma mensagem alertando a população sobre o risco de confrontos entre black blocs e policiais militares no Centro da capital nesta quinta. 

A mensagem fala sobre o Dia Internacional de Luta contra a Copa e diz que em BH um protesto grande está sendo organizado. Em seguida a mensagem afirma que o protesto tem "alta probabilidade de confronto entre Black Blocs e PM". Por fim o texto pede que todos os familiares sejam avisados para evitarem o Centro nesta quinta.

A integrante do movimento Tarifa Zero, Ana Caroline Azevedo, ficou sabendo da mensagem, porém, com uma versão diferente. "O que chegou para a gente é que a Polícia Militar (PM) está espalhando esta mensagem para esvaziar os movimentos desta quinta. É um boato. No que depender da gente será pacífico, mas não temos controle sobre o ato", garantiu.

A coronel Claudia Romualdo, chefe do Comando do Policiamento da Capital (CPC)  e o coronel Antônio de Carvalho, chefe do Comando de Policiamento Especializado (CPE), foram procurados por O TEMPO e informaram que, pelo menos por parte do CPC e do CPE, não partiu nenhuma mensagem com a impressão de reduzir a participação da população na manifestação social. "O trabalho da PM é acompanhar a manifestação e manter a segurança de todos", disse a coronel Claudia.