Grato ao Palmeiras, Alan Kardec festeja 'nova casa' tricolor

Atacante diz que sonha com dias felizes no São Paulo, depois de passar por novela dramática no processo de mudança de equipe

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Kardec vai usar a camisa 14 no Tricolor, a mesma que foi de Aloísio
Rubens Chiri/saopaulofc.net
Kardec vai usar a camisa 14 no Tricolor, a mesma que foi de Aloísio

O atacante Alan Kardec foi apresentado pelo São Paulo nesta terça-feira no CT da Barra Funda. Ele admitiu que sua transferência acabou virando uma novela, mas quer colocar um fim nos debates sobre sua saída do Palmeiras e só pensa em olhar para o futuro. "Realmente acabou se tornando uma novela. Desde o começo eu dizia que poderia ser um pouco desgastante, falavam que o jogador não aceitava isso ou aquilo, mas foi uma coisa de grande repercussão que aconteceu e ficou no passado. Tenho de olhar para a frente e reconhecer tudo aquilo que me proporcionaram, fico feliz pela oportunidade que tive no Palmeiras, mas ficou para trás. Estou feliz de chegar a uma nova casa e quero dar continuidade ao trabalho vitorioso", disse.

Ele revela que sente mais pela torcida palmeirense, mas dá a entender que não gostou da postura da diretoria alviverde. "No final da história, alguém terá de ser o culpado. Voltaram atrás em mais de uma oferta, falavam que não podiam pagar X a mais, mas depois falavam que cobriam tudo. Uma palavra representa muito mais que um papel assinado. Claro que tem aperto no coração, pelo clube e torcedores, mas quando nos comprometemos com o São Paulo, não tinha mais volta", continuou Kardec, lembrando que sofreu muito no período, perdeu peso por se alimentar mal e teve horas de sono jogadas fora. "Foram dias muito difíceis para mim."

Querendo olhar para frente, o jogador assinou um vínculo de cinco anos e se mostra ansioso para entrar em campo pelo São Paulo. "Receber uma proposta do São Paulo valoriza o seu trabalho, é um reconhecimento. Fiquei muito feliz. Se olhar para o elenco do São Paulo, percebe-se que temos condições de lutar por grandes títulos. Acredito no meu potencial e acho que chego para somar. Gosto de jogar em várias posições, pelo lado ou vindo por trás, e vai seguir a tradição, pois São Paulo é uma equipe que sempre disputa títulos", afirmou.

Ele vestirá a camisa 14, a mesma que já foi utilizada pelo atacante Aloísio Chulapa, que defendeu o São Paulo de 2005 a 2008. Ele confessa que escolheu o número da camisa inspirado no francês Thierry Henry, que usava o uniforme com o número 14 nas costas. "Quando era mais jovem, em 2003 e 2004, acompanhava sempre o futebol europeu e assistia aos jogos do Arsenal. Aquele time era muito bom e o Henry era a grande estrela", conta. Antes o zagueiro Edson Silva usava o número 14, mas acabou aceitando a troca. "Agradecemos ao Edson Silva, que cedeu esse número", explicou Carlos Miguel Aidar, presidente do clube.