Graça espera concluir auditoria de Pasadena até junho

"Estamos trabalhando para que possamos virar essa página no mais curto espaço de tempo possível", afirmou a presidente da Petrobras

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Graça Foster vai ao Senado terça-feira falar sobre denúncias contra Petrobras
Antonio Cruz/ABr - 22.5.2013
Graça Foster vai ao Senado terça-feira falar sobre denúncias contra Petrobras

A presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, afirmou que a companhia espera concluir até o dia 6 de junho as investigações internas sobre a refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos. A executiva acrescentou ainda que as cinco comissões instaladas para apurar eventuais irregularidades não trouxeram prejuízos à Petrobras.

"Estamos trabalhando para que possamos virar essa página no mais curto espaço de tempo possível", afirmou Graça Foster em coletiva de imprensa sobre os resultados do trimestre. Segundo a executiva, o trabalho de investigação envolve uma equipe multidisciplinar das áreas jurídicas, de refino e novos negócios. "São dezenas de entrevistas e estamos bem perto do final. A previsão é de que seja concluída até o dia 6 de junho", completou.

"É muito importante que tudo isso seja apurado para que informemos e estejamos sempre preparados para sermos perguntados pelo governo federal, pelas comissões no senado ou na câmara, e para responder aos órgãos de controle. Respondemos sobre Pasadena desde novembro de 2012, é uma demanda permanente", afirmou a executiva. "Não vejo que essas comissões tenham trazido prejuízo ao bom resultado que apresentamos", completou.

Óleo leve

Graça Foster afirmou ainda que os bons resultados da refinaria de Pasadena foram obtidos em função da disponibilidade de óleo leve na região. "Enquanto este óleo estiver disponível, teremos bons resultados", afirmou a presidente. Segundo o balanço, a refinaria apresentou no trimestre o processamento de 103 mil barris de óleo por dia.

"Essa carga fresca processada é um bom resultado e decorre única e exclusivamente da disponibilidade de óleo leve. Esse óleo tem um desconto de US$ 4 a US$ 6 por barril naquela região. É isso que tem trazido bons resultados. E ela tem operado melhor, temos feito um bom trabalho, com boa gestão", afirmou a executiva.  

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave