Reclamações da arbitragem tomam conta da coletiva de Marcelo Oliveira

Enquanto Levir preferiu minimizar as falhas do trio de arbitragem, comandante celeste condicionou a derrota de sua equipe ao desempenho dos apitadores

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

undefined

O tom do discuso dos treinadores de Atlético e Cruzeiro, após o clássico vencido pelo Galo por 2 a 1, foi diferente. Enquanto Levir preferiu minimizar as falhas do trio de arbitragem, Marcelo Oliveira condicionou a derrota de sua equipe ao desempenho dos apitadores.

“É um jogo difícil. A gente conseguiu controlar a pressão inicial, tivemos contra-ataques que não foram bem definidos, mas tudo estava controlado. No segundo tempo, o juiz deixou de marcar aquele penâlti (os cruzeirenses reclamaram de um toque de mão de Otamendi em jogada do meia Luan) e deu aquele impedimento inexistente. Fica ainda mais difícil. A gente podia ter saído daqui com uma vitória”, lamenta Oliveira.

Segundo o treinador e o gerente de futebol do Cruzeiro, Alexandre Mattos, nas quatro partidas que a equipe fez até aqui, ela foi prejudicada em lances capitais. “Teve o lance do pênalti contra  o Bahia que não marcaram, a falta que gerou o gol do São Paulo foi invertida, contra o Atlético Paranaense também fomos prejudicados. E hoje acontece isso”.  

“Não queremos ser beneficiados, mas também não queremos ser prejudicados. Vamos cobrar da CBF”, destacou Mattos.