Alegria em boa companhia

Bruno Mazzeo se diverte ao viver um fiscal corrupto na última temporada da série “A Grande Família”

iG Minas Gerais | geraldo bessa |

Encontro. Mazzeo ressalta encontro com o diretor Luis Felipe Sá como decisivo para sua participação
Luiza Dantas/CZN
Encontro. Mazzeo ressalta encontro com o diretor Luis Felipe Sá como decisivo para sua participação

A veia autoral de Bruno Mazzeo pulsa forte. Roteirista contratado pela Globo desde 1991, ao longo da carreira ele se destacou ao assinar o texto de programas como “Sai de Baixo” e “A Diarista”. E ainda idealizar a série “Cilada”, do canal pago Multishow. Porém, de vez em quando, Bruno sai dos bastidores, deixa o teclado do computador de lado e topa contracenar e se divertir entre amigos. Foi exatamente isso que o levou a participar de “A Grande Família”. Para celebrar em grande estilo a derradeira temporada do seriado, muitos nomes do elenco da Globo foram chamados para participações especiais. Nos próximos episódios, Bruno dará vida a Silveira, fiscal da vigilância sanitária. Corrupto e linha dura, o personagem irá multar os principais estabelecimentos do bairro onde mora a família Silva. E, na ânsia por algum trocado, vai se desentender, justamente, com Agostinho, de Pedro Cardoso. “Quando o assunto é comédia, adoro fazer o personagem errático. É onde se pode carregar as tintas e críticas. Silveira carrega a bandeira do cara que só quer se dar bem. Foi uma experiência muito divertida”, conta.

Mesmo sem se identificar muito com o humor de costumes e mais família feito pelo seriado, Bruno reconhece que foi a partir da qualidade do texto que a produção conseguiu ficar por tanto tempo no ar. “Do ponto de vista do roteiro, é preciso saber se reinventar. ‘A Grande Família’ conseguiu fidelizar seu público por ousar, mas manter a essência”, analisa. Além de contracenar com nomes que admira desde a infância, durante as gravações, o humorista ressalta o encontro com o atual diretor do programa, Luis Felipe Sá, com quem vem idealizando alguns projetos dentro da Globo, como o “Junto & Misturado”. “Humor é parceria. E a direção conta muito para dar o clima e o tempo certo das piadas”, valoriza.

Na hora de gravar, Bruno assume que trata o texto alheio do mesmo jeito que gosta que cuidem de suas criações. Ele se diverte com as ideias propostas pelos roteiristas Adriana Falcão e Mauro Wilson. Portanto, nada de muitos “cacos” e improvisações. “O roteiro já é muito bom. Só faço as modificações que qualquer ator faria”, explica.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave