UPCN faz história com terceiro lugar no Mundial de clubes

Depois de ser o primeiro time argentino a participar da competição por duas vezes seguidas, time superou o próprio feito com o bronze do torneio

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

Sada Cruzeiro e UPCN fizeram um grande duelo no Mineirinho, neste sábado, que terminou com vitória dos argentinos
LEO FONTES / O TEMPO
Sada Cruzeiro e UPCN fizeram um grande duelo no Mineirinho, neste sábado, que terminou com vitória dos argentinos

Um resultado para a história. O terceiro posto no Mundial de Clubes coloca o UPCN-ARG no lugar mais alto já conquistado por uma equipe argentina. No currículo argentino, o máximo havia sido uma medalha em Mundiais e outra em Olimpíada, ambas com o time nacional. Mas quando o assunto era clubes, o melhor resultado foi o do ano passado, um quarto lugar, após perder para o Trentino no Mundial realizado em Betim.

A vitória sobre o Sada Cruzeiro e o bronze no peito foram muito comemorados pelos argentinos, que chegaram até a se confundir com as palavras tamanha a emoção.

“É importante ganhar este título. A gente trabalha muito, começa a temporada no final de julho e, às vezes, fica sem perna para ralar tanto. Mas gás nunca falta. Por isso acho que nosso resultado merece ser muito valorizado. Tiramos forças de não sei onde para fazer história”, destaca o central brasileiro Júnior, um dos destaques do time de San Juán. O meio-de-rede fez questão de lembrar que, antes do UPCN, nenhum time argentino havia chegado a dois Mundiais seguidos.

O 'recorde' já confirmado com a presença nesta edição foi superado com o terceiro lugar no principal torneio de clubes do planeta.

O técnico Fabián Armoa também não se controlava após o jogo. Com lágrimas nos olhos, ele se mostrava mais do que satisfeito com o objetivo alcançado. “Missão cumprida. Nossa meta era superar o quarto posto do ano passado e fomos bem. É uma glória para o vôlei argentino este resultado”, afirma.