Sada Cruzeiro perde, e UPCN conquista bronze inédito no Mundial

Após estar em desvantagem de dois sets, equipe celeste reagiu, buscou o empate, mas acabou superada no tie-break

iG Minas Gerais | DÉBORA FERREIRA |

Esportes - Belo Horizonte, Mg. FIVB.  Mens Club World Championship, realizado no Estadio do Mineirinho em Belo Horizonte. Disputa do Terceiro Lugar entre UPCN e SADA. Fotos: Leo Fontes / O Tempo - 10.5.14
LEO FONTES / O TEMPO
Esportes - Belo Horizonte, Mg. FIVB. Mens Club World Championship, realizado no Estadio do Mineirinho em Belo Horizonte. Disputa do Terceiro Lugar entre UPCN e SADA. Fotos: Leo Fontes / O Tempo - 10.5.14

A rivalidade habitual de Brasil e Argentina foi colocada à prova mais uma vez neste sábado, durante a disputa do terceiro lugar do Mundial de Clubes, no Mineirinho. Em jogo que valia a medalha de bronze, Sada Cruzeiro e UPCN-ARG fizeram mais um grande clássico, e com a vitória no tie-break (17/25, 29/31, 25/23, 25/16 e 13/15), pela primeira vez na história, o time de San Juan subirá ao pódio.

Muitos torcedores se dirigiram ao ginásio da Pampulha para ver o grupo de Marcelo Mendez lutar pela honra no local. O susto apareceu logo nos dois primeiros sets, quando o clube teve a mesma atitude das semifinais e não conseguia entrar no ritmo do jogo. Melhor para os hermanos, que não se esqueceram do Sul-Americano deste ano, em que foram batidos no tie-break. A disposição argentina era tanta para ganhar a medalha que o UPCN se recusava a deixar a bola cair em sua quadra. Trunfo de Marcelo Mendez na final do ano passado, o central Douglas Cordeiro sentiu na pele a pressão adversária, quando se atrapalhou ao tentar virar uma bola no segundo set e apenas passou-a para o outro lado. O jogador assistiu a defesa fazer milagres para que a bola não caísse no chão, mas o Sada tentava não deixar o adversário se distanciar e Wallace batia com força.

Os hermanos mantinham a atitude ofensiva com os brasileiros Theo e Junior sendo eficientes nos ataques e também nos saques, fundamento que complicou bastante a recepção dos celestes em quase todos os jogos do Mundial deste ano.

Foi no segundo set que os donos da casa começaram a reagir no jogo. Depois de fazer uma boa etapa, o UPCN ia disputando cada ponto com o Sada até o ponteiro Filipe fechar o bloqueio em cima de Theo. O árbitro deu o ponto aos celestes, mas os argentinos insistiram na reclamação de que a bola teria saído após toque no bloqueio, e Ayman Milad voltou atrás, colocando os hermanos de volta ao jogo com a parcial de 25/24. Pior para os cruzeirenses, já que Bogdan, no saque, deu a vitória à sua equipe.

Tudo mudou a partir do terceiro set. Assim como foi no Sul-Americano, ou mais recente, diante do Trentino-ITA, o clube de San Juan começou a dar sinais de cansaço. Do outro lado, o Sada crescia com Leal e William aparecendo bem mais e fazendo a diferença. O rosto tenso dos jogadores celestes deu lugar a sorrisos pela primeira vez no duelo. Éder, Leal e Wallace foram os grandes destaques, além do bloqueio, fundamento que fez a diferença no período.

O alto padrão encontrado pelos comandados de Marcelo Mendez se manteve no quarto set. No embalo da barulhenta torcida, os cruzeirenses abriram larga vantagem tiravam proveito da queda argentina. Com poucas peças de reposição à altura no banco, Fabián Armoa, treinador argentino, pouco podia fazer para que seu time reagisse. O resultado do set mostrou bem a diferença do ritmo das duas equipes em quadra.

No tie-break, o time argentino engrossou o jogo mais uma vez. O brasileiro Junior cresceu novamente e, do meio da quadra, incomodava o bloqueio azul. O equilíbrio entre os dois times, como no fim do segundo set,  voltou a ser a característica do jogo. Na reta final, o UPCN abriu 12/10, mas um saque na rede de Junior e um ataque para fora de Bogdan colocaram os cruzeirenses de volta ao jogo. Apesar dos esforços, um bloqueio duplo em cima de Wallace deu a vitória ao time de San Juan, que conquistou sua primeira medalha em Mundiais.

Leia tudo sobre: voleimundial de clubessada cruzeiroderrotaupcnterceiro lugar