UPCN não esquece derrota no Sul-Americano e quer medalha no Mundial

Mais uma vez, argentinos terão pela frente a equipe celeste em um jogo que vale um lugar no pódio

iG Minas Gerais | DÉBORA FERREIRA |

Se Brasil e Argentina carregam o peso de uma rivalidade histórica no futebol, os hermanos parecem levar a sério o confronto também nas quadras. Prestes a enfrentar o Sada Cruzeiro na disputa pelo terceiro lugar do Mundial de Clubes, o time do UPCN-ARG não esqueceu a derrota,  no tie-break, na final do último Sul-Americano.

“Há um clima de revanche sim. Nós havíamos nos encontrado, começamos a jogar bem, mas perdemos no tie-break,e esperamos que agora seja diferente. Neste campeonato, nós jogamos contra todos os times, primeiro com o Esperance, depois Trentino, depois com o do Catar, depois os russos e faltava a equipe do Sada. Todos os jogos foram difíceis”, afirma o assistente técnico de Fabián Armoa, Carlos León.

Os sul-americanos fizeram uma campanha surpreendente na primeira fase. Venceram o primeiro jogo diante do Esperance-TUN, ficaram no tie-break contra o tradicional time do Trentino e ainda venceram o estrelado plantel do Al-Rayyan. A derrota veio na semifinal, diante do Belogorie Belgorod-RUS, mas, mesmo assim, o grupo já se sente satisfeito pela oportunidade de buscar a medalha, já que tinha como principal objetivo passar para a segunda fase.

“Nós viemos aqui para buscar uma medalha de bronze. Sabemos que nossa equipe não tem a altura e a potência suficiente para sairmos campeões do mundo, mas para nós a medalha de bronze, se conquistarmos, será satisfatória”, declarou o assistente técnico.

Não há nenhuma fórmula mágica para derrotar os atuais campeões mundiais, que impuseram uma difícil derrota no Sul-Americano, que aconteceu em fevereiro. Na ocasião, os argentinos abriram 2 sets a 0 no placar e sofreram a virada. Para León, o saque pode ser o trunfo hermano, já que o grupo estrelado tem sofrido bastante com este fundamento frente aos seus adversários.

“É uma equipe muito difícil, então todos temos que jogar bem, temos que apostar no saque forte. Se sacarmos bem e atacarmos, creio que teremos um bom resultado”, concluiu o assistente.

Leia tudo sobre: voleimundial de clubesassistente tecnicoupcnvitoriamedalhasada cruzeiro