Cliente da Santa Casa fica no limbo

Com indefinição, médicos pedem para sair e usuários não conseguem marcar consultas

iG Minas Gerais | Queila Ariadne |


Santa Casa Saúde está à venda desde dezembro do ano passado
RODRIGO CLEMENTE / O TEMPO17/12/
Santa Casa Saúde está à venda desde dezembro do ano passado

Desde dezembro do ano passado, os usuários do plano de saúde da Santa Casa sabem que serão transferidos para outra operadora, só não sabem para qual. No telefone 0800 de atendimento ao cliente da empresa, um comunicado informa que a mudança acontecerá nos próximos meses, sem prejudicar o atendimento. Entretanto, enquanto esperam por um novo dono, os usuários sofrem com a dificuldade de marcar consultas. O anúncio da venda do plano provocou uma debandada de médicos, que pediram o descredenciamento. E, os que ficaram, vivem com a agenda lotada.

Foi exatamente por meio do recadinho gravado no 0800 que a jornalista Célia Denise Silva, 44, descobriu que a Santa Casa Saúde seria vendida. A princípio, ela ficou tranquila com a promessa da gravação, de que nada mudaria no atendimento. Mas, na prática, está se sentindo no limbo. “Moro em Ponte Nova e reservei um tempo nas minhas férias para fazer um check-up em Belo Horizonte. Liguei para o cardiologista, e ele está descredenciado. Liguei para a gastroenterologista, e a mesma coisa. Então resolvi tentar as indicações do plano, mas todos os médicos estão com a agenda cheia”, reclama.

Dos quatro médicos que precisa, Denise só conseguiu marcar um. “Agendei o ginecologista, mas estou com medo de não conseguir cobertura do laboratório. Tentei marcar exame de mamografia e a clínica também está descredenciada”, conta ela, que paga R$ 170 por mês.

Aos 77, Dora Carvalho Fernandes, cliente da Santa Casa há oito anos, está na mesma situação. Precisa marcar cardiologista, ginecologista e oftalmologista. Só conseguiu o último, para o dia 7 de junho. “Não encontrei a ginecologista que me atendia e me deram outras opções, mas nenhuma tem vaga. Eu ligo e falam que a agenda só vai abrir na semana que vem e que eu tenho que ficar ligando todos os dias, para ver se tem alguma desistência”, conta Dora, moradora de Mário Campos, na região metropolitana de Belo Horizonte. Dora paga aproximadamente R$ 400 por mês. Por ano, são R$ 4.800. “É um desrespeito. Pago e não consigo usar”, reclama.

Por meio de nota, a Santa Casa Saúde informa que o processo de repasse da carteira de clientes para outra operadora ainda não foi finalizado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e que, neste cenário de indefinição, alguns médicos pertencentes à rede estão evitando marcar consultas com usuários do plano. A operadora espera que uma definição ocorra o mais breve possível. A expectativa é que tudo seja resolvido até o fim de maio.

A Santa Casa tinha até março deste ano para conseguir um comprador. Não conseguiu, e a ANS prorrogou o prazo indefinidamente. Questionada sobre o prazo e sobre como os usuários devem proceder, a resposta da ANS foi: “o processo de transferência da carteira está em andamento”.

Orientação

Ligue para. A operadora informa que as questões administrativas devem ser encaminhadas para o serviço de atendimento ao cliente pelo telefone 0800-286-8900 e diz que apurará as queixas.

Entenda

Dezembro de 2013: A ANS determina que a Santa Casa Saúde transfira sua carteira de mais de 100 mil clientes, por dificuldades financeiras

Março de 2014: Termina o prazo, mas a venda não é feita. ANS prorroga. Amil e Unimed são cotadas, mas negam

Maio de 2014: Expectativa para definição da venda

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave