Segurança preocupa os “sobreviventes”

iG Minas Gerais |

O restaurante La Greppia, na região central de Belo Horizonte, é uma das raridades que funcionam 24 horas na cidade. “É assim há 20 anos, de segunda a segunda”, diz o gerente Walmir Cardoso Brandão. Ele conta que a Lei Seca reduziu de 10% a 15% o movimento da casa, mas que ainda assim compensa funcionar durante toda a madrugada. “Como somos tradicionais, temos um público cativo”, frisa.

No que se refere à violência, ele ressalta que o restaurante tem a vantagem de estar localizado próximo da 3º Companhia de Polícia. “Isso nos dá segurança”, diz.

Enquanto estabelecimentos reduzem horário de funcionamento, a padaria Mixpão, unidade do bairro Nazaré, região Nordeste da capital, funciona 24 horas há um ano e cinco meses, segundo o sócio Anderson Gonçalves. “A partir das 23h, o atendimento é feito através de uma grade, para evitar qualquer tipo de problema”, diz. A drogaria Araújo também aposta nas grades para manter cerca de um terço de suas lojas abertas durante a madrugada. (JG)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave