Um a cada três não aprova

De acordo com a pesquisa Datafolha, 34% dos brasileiros reprovam a atuação do Congresso

iG Minas Gerais |

Reprovação. Um a cada três brasileiros está insatisfeito com o desempenho do deputados e senadores que compõem o Congresso
MARCELLO CASAL JR./AGÊNCIA BRASIL
Reprovação. Um a cada três brasileiros está insatisfeito com o desempenho do deputados e senadores que compõem o Congresso

São Paulo. Pouco mais de um terço dos brasileiros (34%) – um em cada três cidadãos – avalia a atuação do Congresso Nacional como ruim ou péssima. E já foi pior. Em agosto de 2013, na pesquisa anterior do Datafolha sobre o parlamento, a taxa de reprovação alcançava 42%.

A redução de oito pontos na má avaliação não significa um aumento do percentual de aprovação do trabalho dos deputados federais e dos senadores.

O índice dos que julgam a atuação dos congressistas como boa ou ótima praticamente não mudou. Apenas oscilou de 13% para 14%. A margem de erro do levantamento é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

A título de comparação, a presidente Dilma Rousseff tem hoje 35% de avaliação positiva. É o segundo pior índice da petista desde a posse, em janeiro de 2011 – acima apenas dos 30% apurados logo após os protestos de junho de 2013. Mesmo assim, o governo Dilma tem mais que o dobro da aprovação do Congresso.

Variação. A avaliação do Congresso Nacional varia pouco conforme as regiões do país, o porte do município do entrevistado, sua idade, ou religião. Destoa um pouco entre os mais escolarizados e os mais ricos. No grupo dos que têm ensino superior, a reprovação chega a 45%. Já o índice mais baixo de aprovação está entre os que têm renda familiar mensal acima de 10 salários mínimos, o recorte mais alto da amostra. Nesse universo, só 8% julgam o trabalho dos congressistas como bom ou ótimo.

O Datafolha entrevistou 2.844 pessoas nos dias 7 e 8 de maio em 174 municípios do país.

O nível de confiança é de 95%. Significa que se fossem realizadas cem pesquisas com essa mesma metodologia do Datafolha, os resultados encontrados estariam dentro da margem de erro – dois pontos percentuais – em, pelo menos, 95 ocasiões.  

O que disseram

“Mais do que um pré-candidato da oposição subir em pesquisa, é o desejo de mudança que isso representa no seio do eleitorado.”

“E nós estamos caminhando para mostrar aos brasileiros que nós temos as propostas e que somos a mudança segura que o Brasil precisa ter.”

Aécio Neves, Pré-candidato do PSDB

“Nós vamos começar o 19 de agosto como Marina Silva terminou a eleição em 5 de outubro de 2010. A diferença é essa. Do ponto de vista dos votos válidos, segundo as pesquisas eleitorais, já estamos perto do número que ela chegou na eleição”

"Se 25% da população diz que nos conhece, a gente já chega em simulação em 11% ou 14%. Imagine quando chegar a 100%.”

Eduardo Campos, Pré-candidato do PSB

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave