Adrenalina à flor da pele

De natureza privilegiada, região tem roteiros de aventura e arqueológico

iG Minas Gerais | JOÃO PAULO COSTA |

Uma das cachoeiras mais altas da chapada, a Véu de Noiva é ideal para a prática de rapel
RITA BARRETO BAHIATURSA/DIVULGAÇÃO
Uma das cachoeiras mais altas da chapada, a Véu de Noiva é ideal para a prática de rapel

Detentora de uma das paisagens mais bonitas e ricas do Brasil, a Chapada Diamantina abarca grande diversidade de fauna e flora, cachoeiras, rios, poços, vales, trilhas, grutas e cavernas, que encantam os visitantes, adeptos ou não de aventura. Criado na década de 80, o Parque Nacional da Chapada Diamantina atua como protetor desse reduto de vastas belezas naturais.

Uma das opções que a chapada oferece é o turismo arqueológico, apresentando locais como a Central e o Gentio do Ouro, locais que concentram a maioria das pinturas rupestres da região. Entre as principais atividades no local, estão trekking, longas caminhadas e rapel em suas magníficas cachoeiras. A faixa norte da chapada é o local mais adequado para quem busca a prática desses esportes, e o rapel é um dos mais procurados por lá.

Diversidade

A Trilha dos Bandeirantes, que apresenta maior grau de dificuldade para as caminhadas, constitui o melhor local para se apreciar a fauna, pois agrupa vários animais em extinção, como o beija-flor gravatinha vermelha e muitas espécies de répteis e primatas (cutias e quatis). O mirante Vale Verde, por sua vez, oferece uma ampla visão de paredões, vale, cânions e serra.

Em Jacobina, a maior cidade da região, fica a impressionante cachoeira Véu da Noiva, um dos tantos cartões-postais da região. É nessa porção da Chapada Diamantina que os amantes de esportes radicais se aventuram em voos livre, por exemplo.

Dentre os principais destinos da chapada, Itaquara apresenta a maior concentração de cavernas da América do Sul, enquanto Mucugê revela-se como palco de significativa exploração de diamantes e de ouro. 

Mas é na cidade de Palmeiras que está a cachoeira mais alta do país: a majestosa cachoeira da Fumaça – do alto de seus 370 m, o fluxo de água espalha-se pelo ar como uma imensa nuvem de fumaça.

À noite, nas principais cidades da chapada, podem-se conferir badalados bares, boates e restaurantes de comidas típicas do Sertão baiano.

Um lugar apaixonante

A cidade de Lençóis, de melhor infraestrutura turística da região, é um daqueles lugares que, ao visitá-lo, nunca mais sai da nossa cabeça. Ela está situada a 394 m de altitude, em meio a uma natureza exuberante, entre formações serranas, vales e planícies, possuindo grutas, cânions e muitas cachoeiras, cercadas por Mata Atlântica.

Lençóis é um verdadeiro reduto do ecoturismo, que, além de oferecer atrativos de tirar o fôlego, guarda a memória dos áureos tempos da exploração do diamante.

Toda a opulência desse passado é marcada pelo casario colonial, que enche os olhos dos visitantes, e pelas aprazíveis ruas de pedra.

Porta de entrada da Chapada Diamantina, a cidade conta com uma infraestrutura completa para receber o visitante e, em 2010, foi considerada, pela quarta vez consecutiva, um dos dez melhores destinos turísticos do Brasil, segundo o “Guia Quatro Rodas”. Para o turista conhecer os atrativos próximos de Lençóis, há agências de viagens locais que organizam caminhadas e passeios para os lugares mais distantes.

Um destino singular, Lençóis recebe, atualmente, mais de 120 mil turistas por ano, interessados em curtir passeios em meio à natureza e praticar esportes radicais. Aliás, é um lugar que merece ser visitado várias vezes. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave