Dupla de treinadores da Superliga marca presença no Mundial

Marcos Pacheco, do Sesi-SP, e Marcelo Fronckowiak, do RJ Vôlei, acompanharam de perto últimos dias do torneio

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

Um campeonato de alto nível costuma atrair a atenção não somente do público, mas também de envolvidos diretamente com o esporte. Com o Mundial de vôlei, que acontece até este sábado no Mineirinho, em Belo Horizonte, não é diferente.

Entre as presenças vips durante a semana no torneio estão os técnicos Marcos Pacheco, do Sesi-SP, atual vice-campeão da Superliga, e Marcelo Fronckowiak, do RJ Vôlei, campeão do campeonato nacional temporada 12/13.

A ideia era acompanhar de perto o torneio e aproveitar a oportunidade rara de ver tantas escolas diferentes reunidas em um só evento, assim como os grandes jogadores que vieram para Belo Horizonte. “O torneio deste ano está mais valorizado, principalmente pela presença deste 'time de aluguel' do Al-Rayyan. É uma equipe muito forte, que tem mostrado um bom nível de jogo. O verdadeiro campeão europeu também veio com sua força máxima e isso conta bastante”, destaca Fronckowiak, que ainda não sabe se sua equipe continuará existindo na próxima temporada.

Marcos Pacheco enalteceu o nível do Mundial, recheado de estrelas, dentro e fora das quadras. “Fico feliz de estar presente para ver um campeonato de tão alto nível, com jogadores de seleção e treinadores renomados”, comenta.

Boas lembranças

Apesar de ter perdido a final da Superliga masculina há poucas semanas, justamente no Mineirinho, para o Sada Cruzeiro, o técnico Marcos Pacheco garante que o ginásio lhe traz boas lembranças. “Fui campeão aqui pela Cimed, e as memórias daqui são excelentes, na verdade. Nessa última oportunidade, perdemos para o Sada, que jogou muito bem e mereceu o título”, recorda o treinador.

Para Pacheco, o Mineirinho é o lugar ideal para receber um evento da magnitude do Mundial, que acontece na capital mineira pela primeira vez. “Não teria como o Mineirinho ficar de fora deste torneio com esta estrutura maravilhosa que possui”, elogia Pacheco.

Dicas para Mendez

Admirador do trabalho de Marcelo Mendez, o comandante paulista indica os perigos do Belogorie, possível adversário celeste na grande decisão. Para o esperado encontro, ele acredita que o Sada Cruzeiro entrará mais bem preparado. “No primeiro jogo entre as equipes, o time do Marcelo perdeu os dois primeiros sets, mas, depois disso, conseguiu se adaptar ao estilo de jogo dos russos, com muito saque forçado. Se eles voltarem a se encontrar, o Sada já terá mais conhecimento sobre o sistema adversário para equilibrar o duelo”, opina.

Segundo Pacheco, é sempre complicado ter pela frente uma escola onde os brasileiros têm pouco costume de confrontar. “Tivemos uma reunião entre técnicos há poucos dias e falávamos justamente disso. O Brasil está mais adaptado a um outro estilo de jogo, com mais volume e, às vezes, saque e bloqueio fazendo a diferença. Mas estes fundamentos não são a essência do Brasil e da América do Sul. A tendência é que Sada e Belogorie se encontrem”, projeta.

Fronckowiak também aposta suas fichas na final entre os favoritos citados. Para ele, a torcida poderá dar um algo a mais para a decisão. “É muito bom ver o Brasil com condições de receber um Mundial como este. Espero que o público cativo de Belo Horizonte compareça em peso no sábado para abrilhantar ainda mais o evento. Será importante”, garante.

Depois do último campeonato acontecer em outubro, antes da temporada 2013/2014 começar, neste ano o Mundial acontece em maio, ao final do campeonato nacional. “Desta forma é muito melhor, pois os clubes já conseguem se planejar para isso desde o começo da temporada. Espero que a Federação Internacional mantenha a ideia, que favorece a todos”, destaca o treinador do RJ Vôlei.  

Leia tudo sobre: mundial de clubesvoleitorcida viptreinadoressuperliga