Dona Cici é um exemplo de mãe e de mulher guerreira

Cozinheira de mão cheia, a dona de casa recebe amigos e familiares todos os dias na hora do almoço; alegria e fé em Deus são os pilares da história de uma vencedora

iG Minas Gerais |

Exemplo. 

Aos 78 anos de idade, Dona Cici é se dedica a cuidar dos filhos, netos, bisneta e amigos com muito amor e carinho
Gabriel Pedrao
Exemplo. Aos 78 anos de idade, Dona Cici é se dedica a cuidar dos filhos, netos, bisneta e amigos com muito amor e carinho

Duplamente agraciada, dona Ercília Ondina Sabino, mais conhecida como Dona Cici, comemora seu aniversário e o dia das mães no mesmo mês.

No último dia 29, ela completou 78 anos de idade, e em sua bagagem traz muita história pra contar.

Parece clichê, mas a verdade é que quem ganha o presente são os amigos e a família dela por poder dividir tanta alegria e satisfação.

Em 1954, Dona Cici chegou a Contagem e foi morar no bairro Cidade Industrial. Algum tempo depois foi para o Novo Eldorado, onde vive até hoje.

Caçula de treze irmãos, Dona Cici criou, de um jeito simples e com muita dificuldade, seus seis filhos e alguns netos. Ela, que se casou aos 19 anos, dedicou-se ao lar durante toda sua caminhada. “Casei contra a vontade da minha mãe, mas vivi durante 53 anos com meu marido que me deixou há seis anos. Tive meia dúzia de filhos, porém dois Deus já levou”, conta.

Luta

Ministra da eucaristia, dona Cici se dedica à igreja e a caridade. Durante a entrevista para a reportagem de , ela interrompeu tudo para que pudesse entregar uma doação que havia prometido. “Caridade é essencial e faz muito bem para quem faz”. O Tempo Contagem

Há 38 anos, o filho mais velho de Dona Ercília enfrentou um problema nos rins e precisou de um transplante. Como ato de amor de uma mãe, ela doou um rim ao filho.

Guerreira de fé, dona Cici passou também por um momento complicado ao enfrentar um câncer de mama. “Foi uma etapa muito difícil. Naquela época era pouco comum que as pessoas fossem curadas de uma doença como o câncer, mas eu venci”, lembra.

Ela descobriu a doença aos 59 anos e lutou com fé ao ganhar o apoio da família. “Infelizmente o câncer me pegou. Foi assim que dei a notícia para meu marido, que não foi otimista, porém ele foi o único. Minha família sempre esteve comigo, e as médicas me ajudaram demais”, além disso, ela revelou: “Deus é muito bom pra mim. Só tenho motivos para agradecer”.

Exemplo

Sem estudos, Dona Cici incentiva seus netos a estudarem e se dedicarem para que o futuro seja bem melhor.

Além disso, ela se recorda de ensinamentos dos seus pais, baseados em respeito e educação. “Tento sempre aconselhar meus filhos e netos. E digo a eles que se segirem meu caminho, com certeza irão longe”.

Na ocasião, dona Cici fala de sua maior paixão: os netos. “Alguns netos moram comigo e eu os criei. São meus filhos também, e trato todos igualmente. Só posso afirmar que é a melhor coisa do mundo”.

Alegria

As dificuldades da vida não fizeram com que Dona Ercília desistisse de viver. Em nenhum momento ela perdeu a fé nem alegria.

Em comemoração ao seu aniversário, os filhos se uniram para presentear a mãe em sinal de agradecimento.

“Meus filhos convidaram meus irmãos, pessoas que me ajudaram ao longo da vida, amigos e familiares. Foi uma festa muito bacana”.

Dona Cici, de um jeito humilde e muito receptivo demonstrou carinho em cada detalhe contado de sua trajetória e finalizou dizendo que apesar de tudo “hoje eu me considero muito feliz”.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave