Pimentel participa da Missa do Trabalhador

Pré-candidato ao governo de Minas, ex-ministro assistiu à celebração ao lado de Marília Campos e Newton Júnior

iG Minas Gerais |


Parceria. 


Durante a missa, que reuniu 5.000 pessoas, Pimentel e Marília Campos estiveram juntos
ALEX DE JESUS/O TEMPO
Parceria. Durante a missa, que reuniu 5.000 pessoas, Pimentel e Marília Campos estiveram juntos

O pré-candidato do PT ao governo de Minas Gerais, ex-ministro e ex-prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel, acompanhou a tradicional Missa do Trabalhador, na praça da Cemig, no feriado de 1° de Maio. Na ocasião, o político destacou as conquistas dos trabalhadores brasileiros nos últimos anos durante os governos petistas de Lula e Dilma Rousseff.

Segundo Pimentel, a grande reivindicação de qualquer trabalhador é o emprego, e nunca houve um governo no Brasil que gerasse tantos empregos quanto os governos do Lula e da presidente Dilma. “Só nesses três mandatos foram 22 milhões de postos gerados. Geramos mais empregos do que a Europa perdeu agora com a crise. O emprego mais a valorização do salário mínimo é o que devemos comemorar”, afirmou.

Fernando Pimentel ainda comentou o surgimento do chamado movimento “Volta, Lula”. O ex-ministro preferiu fugir de polêmicas e disse que essa é uma questão que deve ser decidida entre Lula e Dilma. “Ele (Lula) e Dilma é que têm que decidir. A Dilma está indo bem e é candidata. Lula já falou que o candidato dele é ela. Acredito que isso é só uma homenagem que o brasileiro faz ao grande presidente que foi Lula”, afirmou.

O ex-ministro ainda declarou na ocasião, na missa do trabalhador, que “Lula não tem que voltar, porque nunca foi embora”.

Posando como candidato ao governo de Minas Gerais, Fernando Pimentel assistiu à missa no meio dos 5.000 populares que acompanharam a tradicional celebração, realizada há mais de 30 anos. Ele estava acompanhado da ex-prefeita de Contagem Marília Campos e do filho do deputado federal Newton Cardoso, Newton Cardoso Júnior, além de outras lideranças petistas. Aproveitando o momento, por diversas vezes, Pimentel abraçou fiéis e ouviu apoio a sua candidatura.

Em entrevista exclusiva ao jornal , Pimentel fez críticas à capacidade administrativa da gestão do PSDB e ressaltou que o voto dos mineiros não tem dono. Ele garante que, ouvindo a população nas caravanas pelo Estado, terá o melhor programa de governo.O Tempo

Pimentel também afirmou que o PMDB fechou a questão entre eles, e que vai apoiar a aliança com o PT. “O PMDB está conosco na chapa. O que não seria nenhuma surpresa. A nossa aliança inicial tem, então, o PMDB, o PROS, o PRB”, diz.

O ex-ministro também falou sobre o apoio que espera receber do PCdoB, partido do prefeito de Contagem, Carlin Moura. “Acho que temos uma boa conversa com o PCdoB. Eu diria que há uma grande simpatia, um grande interesse desse partido em vir para aliança”, afirmou.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave