A voz da Massa

iG Minas Gerais |

Saudações alvinegras! Como prometido, vamos falar sobre os escolhidos do Galo para a seleção: Jô e Victor. Eu não tinha dúvida de que esses dois estariam na lista de Felipão. Para mim, Jô garantiu o passaporte para esta Copa lá na Copa das Confederações passada, quando contribuiu efetivamente para aquela conquista, seja com assistências ou com gols. Portanto, é justo o chamado. Já sobre o nosso São Victor, eu não preciso dizer muita coisa, a não ser que a sua convocação é mais do que merecida, pois atualmente ele é, disparado, o melhor goleiro brasileiro na ativa. E não se assustem se Victor virar titular da equipe, pois condições para isso ele tem de sobra. Parabéns ao Jô e ao Victor, e parabéns também ao Galo, o time brasileiro com mais atletas nessa convocação e que, como sempre, segue honrando a tradição de contribuir com a seleção brasileira.

A voz Celeste

San Lorenzo x Cruzeiro foi um jogo em que eu esperava mais dos dois times. Teve muito respeito de ambas as partes. Pensei que os argentinos poderiam sair mais para o jogo e assim dar espaço para os contra-ataques. O placar de 1 a 0 é reversível no Mineirão, mas o Cruzeiro tem que parar de oscilar. Algumas peças que jogaram muito no ano passado estão deixando a desejar. É o caso de Ricardo Goulart. Outro que tem sido cobrado pela torcida é Júlio Baptista, que não fez jus até hoje ao alto salário que recebe. Mas tenho a certeza de que, no Mineirão, a nação celeste vai fazer a diferença. Com essa torcida vibrando nas arquibancadas, surdo escuta, cego enxerga e mudo fala. Hoje tem semifinal do Mundial de vôlei. Galera, vamos prestigiar lotando o Mineirinho. Esse time do Sada Cruzeiro é muito bom, e, com a força da nação celeste, vamos conseguir o bicampeonato.  

Avacoelhada

O América não venceu, mas esteve próximo de convencer, no empate sem gols com o Bahia, pela Copa do Brasil. Com postura ofensiva, principalmente no segundo tempo, jogou no campo de defesa do adversário, teve mais posse de bola e criou as oportunidades mais perigosas. Thiago Santos se destacou nos desarmes, Ricardinho, pelo trabalho que deu para o setor defensivo baiano, e Tchô, pelas finalizações quase transformadas em gols. Faltou encaixar o melhor posicionamento defensivo de Pablo a fim de liberar as subidas de Andrei, Elsinho e Gilson. Moacir Júnior novamente utilizou o importante recurso das três substituições. Willians, Diney e Henrique mantiveram a combatividade. Lamentavelmente o público diminuto numa partida decisiva deixou a desejar. Em jogos equilibrados dentro de campo, a força da arquibancada pode fazer a diferença. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave