Preparador físico do UPCN vai às lágrimas após mais uma classificação

Pela segunda vez em oito meses, time argentino está entre os quatro melhores clubes do mundo

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

Após a última bola do jogo entre UPCN-ARG e Al-Rayyan-CAT tocar o solo, o preparador físico do time argentino, Leandro Lardone, não segurou as lágimas. A emoção foi grande pelo feito do time portenho, que chega às semifinais do Mundial de Clubes pela segunda vez seguida.

“Tudo isso é por conta do envolvimento que deixamos em todos os dias de trabalho, pela distância da família e amigos, pelo comprometimento que temos com o esporte. Para quem vê das arquibancadas, claro que é divertido, mas para quem vive do esporte de alto rendimento é algo árduo. Cada vitória traz o sentimento de que tudo vale a pena”, comenta Lardone, um dos mais inquietos no banco de reservas da equipe durante as partidas.

Assim como no ano passado, o UPCN chega entre os quatro melhores e com status de franco atirador, tendo muito pouco a perder. Tudo isso em apenas oito meses. “Somos o candidato com menos chances, mas nunca deixaremos de sonhar. Foi este sonho que nos trouxe até aqui e será ele que nos levará a lugares mais altos”, destaca.

Em 2013, o UPCN ficou com a quarta posição. Para este ano, a meta é subir um degrau, no mínimo.   “Estamos a apenas três sets do maior momento de nossa vida esportiva. Vamos com tudo por todas as pessoas em San Juan que estão torcendo por nós”, indica.

Com a seleção argentina tendo apenas duas medalhas na sua história, uma em Mundiais, outra em Olimpíada, o feito do UPCN já é muito comemorado pelos principais envolvidos. “Participar de um Mundial é complicado, porque nosso país é pequeno e temos nada menos que o Brasil como principal concorrente. Chegar aqui é difícil, ainda mais estar entre os quatro melhores".

Leia tudo sobre: voleipreparador fisicoupcnlagrimasvagasemifinaismundial de clubes