Marcelo Mendez acompanha duelo entre Al-Rayyan e UPCN

Com o Sada Cruzeiro nas semifinais, treinador assistiu a jogo entre equipes que a Raposa pode enfrentar na próxima fase

iG Minas Gerais | DÉBORA FERREIRA e DANIEL OTTONI |

Bem atrás da quadra onde jogavam Al-Rayyan, do Catar, e UPCN, da Argentina, estava o técnico do Sada Cruzeiro, Marcelo Mendez. Atento ao jogo de abertura do quarto dia do Mundial de Clubes, o treinador celeste alternava suas ações entre olhares atentos às jogadas e anotações em um papel. Mesmo com sua equipe de folga, Mendez fez questão de comparecer ao ginásio Mineirinho para acompanhar o jogo. Do confronto, sairia o possível adversário do time mineiro, anfitrião e atual campeão da competição, nas semifinais marcadas para esta sexta-feira. Normalmente, Marcelo deixa a função de acompanhar os adversários com seus assistentes. Mas com a proximidade de um momento decisivo do maior desafio da temporada, ele faz questão de não perder um só momento dos oponentes mais prováveis. “Eu assisto aos jogos, mas de qualquer maneira é uma situação diferente. Aqui pode sair o time que vai jogar contra nós. Nas semifinais, as equipes sempre vão estudar os vídeos, mas é importante ver o jogo ao vivo também”, explicou o treinador. Não é característica de Marcelo apontar preferências em relação a adversários, por isso o argentino prefere não manifestar opinião. Durante a partida entre UPCN e Al-Rayyan, o comandante celeste já começou a levantar características que podem fazer a diferença no encontro com o Sada Cruzeiro. “Até o segundo set, o time que estava mais entrosado é que estava vencendo, me parece que é a característica do jogo até agora, mas o Al-Rayyan tem muitos jogadores que jogam muito também. Já conhecemos muito bem o UPCN, mas não temos nenhuma preferência. Se queremos ser campeões, temos que jogar contra qualquer time”, afirmou o treinador. Nesta tarde, a Raposa realiza um treinamento no Barro Preto, após uma folga na manhã desta quinta. Segundo Marcelo, um dos fundamentos que precisarão ser trabalhados com mais cuidado é o saque, uma das armas mais utilizados pela equipe estrelada durante a Superliga desta temporada. “Acho que temos que melhorar nosso saque, nós sempre trabalhamos bem com o saque, e é uma coisa que erramos e que precisamos melhorar para nos ajudar”, completou.

Leia tudo sobre: voleimundial de clubesmarcelo mendezsada cruzeirojogoal-rayyanupcn