Cabos reserva da PM e do Exército são presos com dinheiro de jogo

Outros dois homens foram presos e com eles mais de R$ 202 mil foram apreendidos; grupo foi abordado na BR-482 quando saía para recolher dinheiro de banca

iG Minas Gerais | Fernanda Viegas |

Quatro homens, sendo um cabo reserva da Polícia Militar do Rio de Janeiro e um cabo da reserva do Exército Brasileiro, foram presos suspeitos de envolvimento em esquema de jogo de bicho em Carangola, na Zona da Mata, nessa quarta-feira (7). Com com o grupo foram apreendidos mais de R$ 202 mil. Uma mulher que estava com eles no momento da abordagem, foi conduzida como testemunha.

A Polícia Militar (PM) foi informada de que dois veículos estariam saindo em comboio para recolher dinheiro em uma banca na cidade de Divino, na mesma região. Os policiais conseguiram identificar um Chevrolet Cobalt com placas de Carangola e um MMC Outlander com placas do Rio de Janeiro, estando este último com escolta armada. Os carro começaram a ser observados e quando iniciaram deslocamento, foi iniciado cerco na BR-482 e uma abordagem foi feita na altura do km 32.

Foi feita busca nos veículos e nos ocupantes. O cabo reserva da Polícia Militar do Rio de Janeiro Cláudio Luís Clarimundo, 44, e cabo da reserva do Exército Brasileiro Edimar Barbosa Claudino, 54, estavam armados com pistolas calibre 380. Com ele, estava Raphael da Costa Reis, 22, que afirmou ser o dono da banca em Carangola.

No Outlander foram encontrados R$ 196.298,70 em dinheiro, um notebook e celulares. Dentro de um compartimento oculto do veículo, também foram encontrados documentos e talões relacionados à prática do jogo do bico. O carro é blindado e, conforme informaram os ocupantes, é utilizado para escolta de valores da banca. Segundo os suspeitos, o recolhimento de dinheiro é realizado em diversas cidades e escoltado ao Rio de Janeiro.

Já no Cobalt, foram identificados Sidney de Moraes, 54, que se disse funcionário da banca de Carangola, e Adriana de Castro Martins de Morais. No carro foram apreendidos R$ 2.857,05 em dinheiro, que a comerciante Adriana alegou pertencer a ela.

Após as prisões e apreensões, os militares foram para a casa do bicho e tiveram que arrombar a porta, já que nenhum  dos envolvidos forneceu a chave. No interior do imóvel, foram encontrados um escritório montado para a prática do jogo de bicho, R$ 864,95 em dinheiro, uma grande quantidade de talões preenchidos e em branco da banca, quatro aparelhos fax, diversos pássaros da fauna silvestre e uma motocicleta.

Na casa de Moraes, ainda foram apreendido mais R4 2.840 em dinheiro e anotações diversas. Os militares também foram ao apartamento de Reis e lá encontraram 33 máquinas de cartão de crédito, chips de celular e caixas de bobinas. Foram localizados ainda um recibo de aluguel, referente à casa, no nome de Moraes.

O grupo e todo o material apreendido foi encaminhado para delegacia.