Gilson Kleina vê Palmeiras em momento de reconstrução

Apesar das desconfianças e pressão, técnico se mostra otimista em uma reação do time alviverde

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Gilson Kleina será o técnico do Palmeiras em 2014
Reprodução/Facebook
Gilson Kleina será o técnico do Palmeiras em 2014

O técnico Gilson Kleina parece ter sentido a derrota por 2 a 1 para o Sampaio Corrêa, na noite de quarta-feira, no Maranhão, pela Copa do Brasil. Após a partida, ele deixou claro que o time do Palmeiras não está indo bem porque passa por um momento de reconstrução, com a perda de importantes jogadores.

"A gente vem reorganizando a equipe. Tivemos perdas pontuais e o torcedor quer ver resultados, assim como nós. Tenho confiança no grupo. O resultado ruim gera desconfiança em todos, mas vamos reagir", disse o treinador, com a fisionomia de quem realmente se sente pressionado no cargo.

Apesar da pressão, Kleina deixou claro que descarta a possibilidade de pedir demissão. "É hora de ter tranquilidade, não adianta achar que vai encaixar da noite para o dia. Com essa pressão, as coisas devem piorar. É claro que vamos conversar com o departamento de futebol, para entender o pensamento. Aqui está todo mundo motivado e não sou treinador que entrega os pontos, pelo contrário. O que a gente quer é tranquilizar a todos nesse momento e fazer do Goiás (adversário de sábado pelo Brasileirão) um jogo divisor de águas", avisou.

Mostrando irritação, Kleina atacou os críticos ao seu trabalho. "Em um resultado ruim, todos viram engenheiro de obra pronta e têm a solução para todos os problemas. Mas isso faz parte e sabemos que temos de passar por isso. Sei que o trabalho está sendo bem feito, tenho confiança no grupo e não vou transferir responsabilidades. Prefiro que estoure tudo na comissão técnica" disse, para, em seguida, dar mais uma alfineta nos críticos.

"Os momentos de dificuldade faz com que a força dos incompetentes aumente. Aquele que torce contra quer fomentar ainda mais esse momento. São 20 meses no comando do clube e não são três jogos que farão a gente colocar tudo a perder", alertou.

A reconstrução a qual se refere o treinador é pelo fato dele ter perdido Alan Kardec, com o time tendo um esquema especial para jogar em função do atacante. E o Palmeiras ainda tem alguns problemas, como a necessidade da contratação de um zagueiro e de um lateral-direito, pedidos antigos de Kleina.

Leia tudo sobre: palmeirastecnicogilson kleina