Governo pagará R$ 670 mil por informação de estudantes

Países definem como será o envio de ajuda, enquanto o Unicef apela para a libertação ‘imediata’

iG Minas Gerais |

Inconformadas. Mulheres nigerianas choram pelas cerca de 300 estudantes sequestradas no país
ASSOCIATED PRESS 5.5.2014
Inconformadas. Mulheres nigerianas choram pelas cerca de 300 estudantes sequestradas no país

Lagos, Nigéria. Estados Unidos, França, Inglaterra, China e Canadá deram detalhes de como vão ajudar a Nigéria a resgatar cerca de 300 estudantes em poder do grupo Boko Haram há mais de três semanas. Nessa quarta, a Nigéria ofereceu recompensa de US$ 300 (cerca de R$ 670 mil) para quem tiver informações sobre a localização das meninas raptadas.

O porta-voz da polícia local, Frank Mba, convocou “todos os cidadãos patriotas que tenham informações úteis” sobre o lugar onde se encontram as estudantes a ligarem para algum dos números divulgados. A polícia pretende envolver o público geral “na solução para o atual problema de segurança” no país, disse Mba.

Londres vai oferecer o apoio de seus satélites. Trata-se de especialistas de ministérios como Defesa, Desenvolvimento Internacional e Relações Exteriores, que se dedicarão a assessorar as autoridades locais, mas não se envolverão em operações no terreno na Nigéria.

O Canadá ofereceu à Nigéria aviões não tripulados e outros equipamentos militares. “Se o Canadá tem equipamentos de vigilância que não existem na região e que podem ajudar a localizar estas jovens, estaremos dispostos a proporcioná-los”, disse no Parlamento o ministro das Relações Exteriores canadense, John Baird.

A China, por sua vez, garantiu que vai ajudar com “qualquer informação útil adquirida com seus satélites ou serviços de inteligência”, segundo informações do presidente da Nigéria, Goodluck Jonathan, que se reuniu com o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang.

Washington pretende enviar uma equipe de menos de dez militares, além de especialistas do Departamento de Justiça e do FBI (a Polícia Federal americana), segundo o Pentágono.

O presidente da França, François Hollande, prometeu que seu país “fará tudo para ajudar a Nigéria a perseguir esse grupo e encontrar as reféns”, declarou o porta-voz do governo, Stéphane Le Foll.

O Boko Haram recentemente assumiu a responsabilidade pelo sequestro de 276 adolescentes e ameaça vendê-las como escravas. Na última segunda-feira, por meio de um vídeo, o Boko Haram reivindicou o sequestro de mais de 200 meninas de uma escola de Chibok no último dia 14 de abril.

Apelo. O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) classificou nessa quarta o sequestro de adolescentes na Nigéria como “ultraje” e “pesadelo” e apelou aos sequestradores para que as libertem “imediatamente”.

“Pedimos encarecidamente a todos os que têm influência sobre os autores desses atos que façam tudo o que for possível para garantir o regresso das adolescentes às suas comunidades em condições de segurança – e para que os raptores respondam perante a Justiça”, disse o Unicef, em nota.

Críticas

Temor. A jovem ativista paquistanesa Malala Yousafzai, 16, disse nessa quarta, em entrevista à rede CNN, que as meninas sequestradas pelo Boko Haram são “suas irmãs” e que grupo que realizou o rapto o fez por medo do poder feminino.

Afirmativa. A paquistanesa, que sobreviveu a um tiro na cabeça em 2012, após várias ameaças de extremistas que dominavam seu vilarejo, criticou o Boko Haram afirmando que eles “não entendem o Islã”.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave