Troca de acusações em encontro da AMM

Penúria dos municípios é responsabilidade da União, diz Pinto Coelho

iG Minas Gerais | Raquel Gondim |

Antônio Andrada, Dinis Pinheiro e Alberto Pinto Coelho  no evento
Alex de Jesus
Antônio Andrada, Dinis Pinheiro e Alberto Pinto Coelho no evento

A abertura do 31º Congresso Mineiro de Municípios, nessa terça em Belo Horizonte, foi transformada em palanque político, com acusações sobre a responsabilidade pela “quebradeira” econômica das prefeituras.

O governador de Minas, Alberto Pinto Coelho (PP), defendeu a revisão da dívida dos Estados com a União e a revisão do pacto federativo. O governador disse que falta ao Planalto vontade política para realizar mudanças, como a do novo marco mineral. “O governo que detém a maioria, quando tem a vontade política, naturalmente a proposta prospera e se torna realidade”, disse.

Na mesma linha, o presidente da Assembleia e provável candidato a vice-governador na chapa do tucano Pimenta da Veiga, Dinis Pinheiro (PP), destacou que o país vive hoje a maior concentração de renda nas mãos do governo federal.

O presidente da AMM, Antônio Andrada, enfatizou o senador e presidenciável Aécio Neves como nome envolvido na luta por melhorias para as prefeituras.

Já o subchefe de assuntos federativos da Presidência, Gilmar Dominicci, destacou o aumento de 13% para 19% do bolo tributário em favor dos municípios nos últimos dez anos e falou sobre programas como o Mais Médicos que, segundo ele, minimizam as dificuldades das prefeituras.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave