Dilma sofre com legado de Lula

Em lançamento do PAC Saneamento, presidente se atrapalha e ataca gestão de padrinho e aliado

iG Minas Gerais |

Tropeço. Dilma Rousseff cometeu erro durante discurso de investimentos em saneamento pelo PAC
Roberto Stuckert Filho/PR
Tropeço. Dilma Rousseff cometeu erro durante discurso de investimentos em saneamento pelo PAC

Brasília. A presidente Dilma Rousseff cometeu gafe ao afirmar, em discurso, estar “sofrendo” com as decisões tomadas durante o governo de Lula, seu antecessor e padrinho político. O escorregão, corrigido imediatamente por ela, aconteceu durante a cerimônia de contratação da terceira etapa do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) de saneamento para municípios com até 50 mil habitantes, com investimentos de R$ 2,8 bilhões para 635 cidades.  

Quando se encaminhava para a parte final de sua fala de 22 minutos, a presidente argumentava que o governo aprendeu a fazer obras de saneamento mais rápidas do que no passado, eliminando burocracias. Nesse momento, acabou se atrapalhando: “Daqui a três anos o Brasil será melhor que o de hoje, porque hoje já estou sofrendo, ou melhor, me beneficiando das decisões tomadas no período Lula.”

“Temos uma grande carência. Temos que procurar zerar nosso déficit de forma que a gente cumpra os dispositivos do Plano Nacional de Saneamento. Nós não investimos antes como devíamos. Estamos nos esforçando para acabar com o déficit de investimento no saneamento, que era vergonhoso, que era uma decisão política vergonhosa em termos de prioridade. Saneamento no Brasil é prioridade, é saúde”, afirmou.

A petista também criticou o total que era gasto em saneamento no país há 15 anos, durante o governo Fernando Henrique Cardoso. “Investir em serviço, notadamente em saneamento, é algo fundamental para o país. Nós jamais podemos repetir o padrão de 15 anos atrás, em que se investia R$ 1 bilhão por ano”, afirmou.

Minha Casa, Minha Vida. A cinco meses da eleição, a presidente Dilma Rousseff divulgou mais um “pacote de bondades”. As medidas atingem, desta vez, os beneficiários do Minha Casa, Minha Vida e os agricultores que tiveram problemas com a seca. O governo não divulgou quanto custarão aos cofres públicas os novos agrados.

As famílias que foram contempladas com um imóvel do programa de habitação popular antes de 27 de agosto de 2012 e pagavam até hoje prestação que correspondia a 10% da renda familiar mensal vão ter que desembolsar a metade do valor a partir da próxima parcela. Pelas estimativas do Ministério das Cidades, são quase 16 mil famílias.

Já a Bolsa Estiagem estava prevista para acabar em abril, mas Dilma desistiu de cortar a transferência de R$ 80 mensais aos agricultores que tiveram problemas com a seca de 2012, pagas por meio do cartão do Bolsa Família ou do Cartão Cidadão. Criada em junho de 2012, o auxílio deveria durar cinco meses, mas alcançará, com a medida, ao menos 30.

Campanha?

Será? Nas redes sociais, a logo da novela “Geração Brasil”, da Rede Globo, causou polêmica. Petistas dizem que a logo faz a propaganda em favor do PSB e do PSDB por apresentar os números das siglas.

Levantamento

Quadro. Dos cem maiores municípios do Brasil, 34 não têm o chamado Plano Municipal de Saneamento Básico (PMSB), que inclui ações de abastecimento de água, esgotamento, limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos, drenagem das águas pluviais, segundo pesquisa do Instituto Trata Brasil.

Ranking. Das cidades analisadas, apenas 12 atendem integralmente ao marco regulatório do setor. São elas: Uberlândia e Juiz de Fora (MG); Limeira, Franca, Piracicaba, Campinas, Mogi das Cruzes, Mauá e Itaquaquecetuba (SP); Florianópolis (SC); Canoas (RS) e Juazeiro do Norte (CE). Atraso. Apesar de a lei que regulamenta o PMSB ter sido sancionada em 2007, o plano não é obrigatório.

Ministro do PR defende apoio ao PT Brasília. O ministro dos Transportes, César Borges, afirmou nessa terça que não está preocupado em perder o cargo caso divisões internas de seu partido, o PR, levem a legenda a romper com o governo Dilma Rousseff. “A mim não me preocupa absolutamente nada”, disse, sobre boatos de que parte do PR estaria disposto a romper a aliança nacional na campanha de reeleição de Dilma. “Vou continuar trabalhando para que o partido possa, unido, apoiar a presidente Dilma. Essa é a minha missão e a farei sempre”, disse.

Marina Silva Retrocesso. A ex-senadora Marina Silva, pré-candidata a vice-presidente na chapa de Eduardo Campos (PSB), afirmou nessa terça que PT e PSDB “ganharam as eleições e tiveram que ser tutelados pela Velha República” nos governos Lula e FHC. Orientação. Segundo Marina, Lula foi “tutelado” pelo senador José Sarney (PMDB-AP), e FHC foi subordinado ao senador Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA), morto em 2007. Igual. Apesar das críticas, Marina disse que Campos planeja procurar Lula e FHC caso seja eleito presidente.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave