Acusados de matar dentista queimada são condenados a quase 40 anos

Adolescente envolvido no crime cumpre medida socioeducativa na Fundação Casa

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Dentista tinha apenas R$30 reais com ela
Reprodução/Arquivo pessoal
Dentista tinha apenas R$30 reais com ela

A Justiça condenou nesta terça-feira (6) dois dos três acusados pela morte da dentista Cynthia Magaly Moutinho de Souza, de 47 anos, em abril de 2013, em São Bernardo do Campo (SP), a 37 anos de prisão. O crime ainda teve a participação de um adolescente, que atualmente cumpre medida socioeducativa na Fundação Casa.

O juiz Edegar de Sousa Castro condenou  Victor Miguel Silva e Thiago de Jesus Pereira à pena de 39 anos em regime inicial fechado por roubo seguido de morte (latrocínio) e formação de quadrilha. Jonatas Cassiano Araújo foi condenado a 37 anos e 6 meses de reclusão pelos mesmos crimes. Ainda cabe recurso da decisão.

Entenda

Após invadir o consultório, o grupo jogou álcool no corpo da vítima e começou a pressioná-la. Após saber que Cynthia só teria R$ 20 na conta bancária, o jovem ateou fogo na dentista, que morreu no local.

Após o crime, houve diversos relatos de quadrilhas que atacavam profissionais de saúde. Associações médicas pediram providências do Estado. “As quadrilhas passaram a aterrorizar os subjugados, mediante a ameaça de atear-lhes fogo”, afirmou o magistrado.

Com Agência Estado

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave