Interventor do COI vê Rio de Janeiro com atraso de até dois anos

De acordo com Gilbert Felli, um dos riscos é o fato de que responsabilidades por certas obras tem passado das mãos de uma esfera do governo a outra

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

No mês passado, Gilbert Felli foi nomeado o interventor do COI para os Jogos do Rio 2016
COI/DIVULGAÇÃO
No mês passado, Gilbert Felli foi nomeado o interventor do COI para os Jogos do Rio 2016

As obras das instalações esportivas na região de Deodoro no Rio de Janeiro para a próxima Olimpíada estão dois anos atrasadas. Quem faz o alerta é o dirigente nomeado pelo Comitê Olímpico Internacional (COI), Gilbert Felli, para monitorar a preparação do Rio para os Jogos de 2016.

Em declarações à reportagem, Felli deixou claro que os atrasos são reais. "Claro que existem atrasos. Deodoro está dois anos atrasado", indicou o dirigente nas primeiras declarações feitas depois que o COI optou por fazer uma intervenção no Rio.

No mês passado, Felli foi nomeado pelo COI como uma espécie de interventor para o evento no Rio, diante do caos na organização do evento e da preocupação cada vez maior por parte das federações esportivas internacionais com as construções. Felli alertou ainda que um dos riscos é o fato de que responsabilidades por certas obras tem passado das mãos de uma esfera do governo a outra. "Isso foi um obstáculo".

Outro ponto delicado, segundo ele, se trata dos atrasos na elaboração do orçamento. Mas o dirigente insiste que há ainda como recolocar o Rio em dia. "Temos de fazer funcionar", indicou. "Vamos trabalhar para isso", completou.

Nesta semana, a reportagem revelou que fontes dentro do COI apontam que apenas 10% das obras para a Olimpíada de 2016 estão concluídas. Dois anos antes dos Jogos de 2012 em Londres, a taxa era de 60%, o que levanta grande preocupação no comitê.

Leia tudo sobre: olimpíadasjogos olímpicosrio de janeiroatrasoobras