Sada Cruzeiro sobra em quadra e vence fácil o Guaynabo Mets na estreia

Atuais campeões passaram pelo time de Porto Rico em três sets e começaram torneio com o pé direito

iG Minas Gerais |

Celestes agora se preparam para confronto com equipe iraniana
Alex de Jesus
Celestes agora se preparam para confronto com equipe iraniana

A estreia do Sada Cruzeiro no Mundial de clubes, que acontece no ginásio do Mineirinho, em Belo Horizonte, não poderia ter sido melhor. Diante do Guaynabo Mets, de Porto Rico, um adversário de nível bem inferior, que conta com jogadores que dividem suas atenções entre a quadra e o trabalho, o time cruzeirense sobrou e venceu fácil por 3 a 0 (25/18, 25/15 e 25/19).

O time caribenho sentiu na pele a diferença entre a liga de seu país e um campeonato de alto nível, onde jogam alguns dos melhores atletas do mundo. Várias foram as bolas onde os donos da casa passaram com facilidade pelo bloqueio adversário, que não tiveram muitas chances, tendo no jogo nada além de uma oportunidade para evoluir. Os erros de saque e ataque dos Mets foram vários, deixando a vitória celeste ainda mais fácil. “Apesar da vitória, poderíamos ter produzido melhor. Foi um jogo bom, que servirá de preparação para o jogo desta terça, que será mais difícil. Tivemos altos e baixos e foi mais uma partida para a gente sentir o clima do campeonato”, destaca o ponta Diaz.

Mesmo sem contar com o ponta cubano Leal, que se lesionou em amistoso preparatório, na semana passada, contra a seleção brasileira, o time mineiro fez bem seu papel e não passou por dificuldades em nenhuma parte do jogo.

A parte ofensiva cruzeirense não encontrou problemas diante do bloqueio caribenho, que mostrou pouca eficiência para tentar neutralizar os ataques de Wallace, Éder e Diaz, o substituto de Leal. A distribuição de jogadas do levantador William foi bem variada e fez a marcação dos Mets se tornar frágil com o decorrer das partidas.

O saque do Sada Cruzeiro incomodou bastante o lado adversário, que teve dificuldades para colocar a bola na mão do levantador Jorge de Jesus, o terceiro do elenco de Javier Gaspar. Os dois principais jogadores da posição (Perez e Morales), que atuaram, recentemente, em ligas européias, não conseguiram embarcar por problemas no visto. Sendo assim, coube ao jovem armador a responsabilidade de organizar a parte ofensiva, sem muito sucesso.

Boa parte dos ataques porto-riquenhos pararam no paredão azul. Faltou ao time do Caribe uma maior variação nos golpes, prejudicado em parte pela falta de experiência e pelo time não estar acostumado a encontrar oponentes de nível tão superior.

Vendo que a vitória estava bem encaminhada, Marcelo Mendez aproveitou para dar ritmo a alguns atletas, como o oposto PV, o central Douglas Cordeiro e o levantador Vinhedo.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave