UPCN conta com cobertura próxima de rádio local de San Juan

Em qualquer lugar onde o time joga, Claudio Bonomo está presente transmitindo as partidas do atual tetracampeão nacional

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

Vem do vôlei argentino uma iniciativa não muito comum, mas que pode ser vir de exemplo para a modalidade dentro do Brasil. Em qualquer lugar onde o UPCN-ARG atua, o radialista Claudio Bonomo está presente. Funcionário da rádio Esportes, de San Juan, cidade sede da equipe portenha, que disputa o Mundial de clubes, ele marca presença em todos os jogos da equipe.

“Nossa rádio trabalha com vários esportes, como hóquei sobre patins, futebol, vôlei e ciclismo. San Juan é uma cidade com muitos atletas e times de bom nível e temos a responsabilidade de acompanhar tudo que acontece na cidade na área esportiva”, detalha Bonomo.

Na Superliga masculina, é quase que raro encontrar alguma equipe de rádio que transmita partidas do maior campeonato do país. O trabalho merece aplausos por não ser comum e por valorizar uma modalidade que recebe uma cobertura bem diferente do futebol, pelo menos em terras brasileiras.

Emoção na voz    Com o Mineirinho vazio, a narração de Bonomo ficou ainda mais evidente e a relação com os companheiros que transmitem futebol é inevitável, tanto pela velocidade nas palavras como pela emoção empregada em cada ponto do time argentino. “No rádio, temos somente a voz para aproximar os torcedores da partida. Um ponto é como um gol. É preciso dar emoção para que eles sintam que são parte da transmissão”, destaca o narrador, que ainda realiza outras funções, como de repórter e produtor.

Bonomo realiza um trabalho prazeroso, mas cheio de limitações, principalmente pelo fato de estar sozinhos durante as transmissões. O suporte vem do seu país natal e acontece todo pela internet. “Temos uma equipe muito importante lá, me ajudando em tudo que preciso. Gosto muito de viajar e esta é a terceira vez que venho para o Brasil em menos de seis meses”, comemora o argentino.

Por mais que o profissionalismo seja a prioridade , Bonomo não esconde a torcida pelo time que está ao seu lado em boa parte do ano. “O UPCN deste ano é mais forte do que o do ano passado, quando chegou em terceiro lugar no Mundial. A pretensão é melhorar o rendimento e tentar uma medalha. O grupo é forte e sólido e o grande desejo é disputar a final”, declara Bonomo. 

Leia tudo sobre: Mundial de VôleiUPCNradialista