Guaynabo Mets reforça luta e dedicação contra o Sada Cruzeiro

Equipe de Porto Rico chegou para o Mundial com importantes desfalques e espera evoluir na sequência da competição

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

Esportes -   Mundial de Volei 2014 no Ginasio Mineirinho , em Belo Horizonte MG.  Partida entre Sada Cruzeiro BRA x Guaynabo Mats PUR  .  Foto: Alex de Jesus/O Tempo 05/05/2014
ALEX DE JESUS/O TEMPO
Esportes - Mundial de Volei 2014 no Ginasio Mineirinho , em Belo Horizonte MG. Partida entre Sada Cruzeiro BRA x Guaynabo Mats PUR . Foto: Alex de Jesus/O Tempo 05/05/2014

A derrota por 3 sets a 0 para o Sada Cruzeiro deixou clara a diferença técnica entre o time celeste e o Guaynabo Mets no Campeonato Mundial, que acontece no ginásio do Mineirinho, em Belo Horizonte. Mesmo assim, o treinador do time de Porto Rico, Javier Gaspar, ficou satisfeito com seu time. “Lutamos muito e os jogadores fizeram tudo que pedimos. Atuamos dentro do nosso planejamento. Enfrentamos um time muito superior ao nosso e isso ficou nítido durante o jogo. Enfrentamos, talvez, o melhor time do mundo”, elogiou o técnico da equipe caribenha. Para ele,  jogar um Mundial serve mais como experiência do que busca por resultados, até pelo difícil grupo que o Mets caiu, com os russos do Belogorie Belgorod e os iranianos do Matin Varamin completando a chave. “O aprendizado serve para todos, treinadores, eu mesmo e comissão técnica. Participar de um campeonato com este nível de exposição é muito válido. Lutamos o máximo, o tempo todo”, declarou Gaspar, que teve importantes desfalques para a competição. "Não estou dizendo que ganharíamos a partida, mas perdemos os dois principais levantadores. Tivemos que usar um terceiro da posição, um jogador muito jovem ainda. O que entrou no seu lugar, na inversão é, na verdade, nosso segundo líbero. Tivemos algumas perdas que deixaram nossa situação ainda mais complicada”, lamentou Gaspar. O Mets conta com apenas dois ou três jogadores que vivem do vôlei. O resto trabalha durante o dia e aproveita as folgas, à noite, para treinar, mostrando uma realidade bem diferente do time brasileiro. Nesta terça-feira, o time de Porto Rico encara o Belogorie, em mais um desafio complicado. Se perder, a equipe do Caribe verá suas chances de classificação serem praticamente anuladas. Para este jogo, o comandante espera um postura mais agressiva. “Temos que encontrar uma forma de fazer um jogo mais consistente. Tivemos alguns bons momentos, mas em outros fomos facilmente superados, principalmente no bloqueio. Não encontramos muitas brechas na parte ofensiva e isso pode ser melhorado. Cometemos muitos erros também”, indicou Gaspar.  

Leia tudo sobre: mundial de clubesguaynabo metsvolei