Algoz do Trentino, cubano Simon mantém 'pés no chão' no Mundial

Principal nome do time do Catar na vitória sobre o Trentino, cubano pede calma devido à empolgação gerada com sua grande atuação

iG Minas Gerais | GABRIELA PEDROSO e FREDERICO RIBEIRO |

BH 05-05-2014
MUNDIAL DE CLUBES DE VOLEI 2014
TRE X QAT 

NO MINEIRINHO BH MG 

FOTO : RONALDO SILVEIRA
RONALDO SILVEIRA
BH 05-05-2014 MUNDIAL DE CLUBES DE VOLEI 2014 TRE X QAT NO MINEIRINHO BH MG FOTO : RONALDO SILVEIRA

Vinte e seis anos, 2,06m de altura, e um alcance no ataque de 3,58m, menor somente do que o do ponteiro búlgaro Kaziyski. Essas são características do central cubano Robertlandy Simon, ou simplesmente Simon, que se tornou o grande algoz do Trentino (ITA), na vitória do Al-Rayyan por 3 sets a 0. Como um "trator", o meio-de-rede passou por cima do bloqueio italiano, incapaz de pará-lo. A eficiência do jogador no ataque, aliás, fez dele o maior pontuador no duelo desta segunda-feira. Dos 20 pontos de Simon na partida, 17 foram por meio do fundamento. Mesmo com a grande atuação, o cubano mostrou humildade e pés no chão em uma autoavaliação. "Estamos muito competitivos para este Mundial, e acho que fui bem no jogo. Mas vamos com calma, cada jogo tem a mesma importância", destacou o meio-de-rede. Apesar de todo o sucesso que o jogador faz no esporte, Simon não pode ajudar o próprio país. Desertor da seleção de Cuba, o central lamenta o fato de não poder defender as cores de sua pátria. "Eu não vou estar na Liga Mundial, lamentavelmente, por Cuba. Mas estou contente de estar aqui (no Mundial). De qualquer forma, depende deles (membros da federação cubana de vôlei). Se eu não for, passarei férias no meu país. Espero resolver isso no futuro", concluiu Simon.

Leia tudo sobre: simonal-rayyancubatrentinomundial de clubes