Apesar da pressão, Paulo Nobre mantém Gilson Kleina no Palmeiras

Técnico não corre risco de demissão no Palmeiras pelo menos até quarta-feira, quando o time enfrenta o Sampaio Corrêa

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Apesar da pressão, Kleina segue como técnico do Palmeiras
Reprodução/Facebook
Apesar da pressão, Kleina segue como técnico do Palmeiras

O técnico Gilson Kleina não corre risco de demissão no Palmeiras pelo menos não até quarta-feira, quando o time enfrenta o Sampaio Corrêa. O presidente Paulo Nobre já comunicou a decisão desta segunda-feira para seus aliados e tudo volta ao normal na Academia de Futebol. O time viaja nesta segunda-feira à noite para São Luís, local do duelo de ida da segunda fase da Copa do Brasil.

Nesta segunda-feira ainda está marcada uma nova reunião de Kleina com o diretor executivo José Carlos Brunoro e com o gerente de futebol, Omar Feitosa - existe a possibilidade de Nobre participar também. O assunto será a situação da equipe e o que eles podem fazer para que o Palmeiras volte a apresentar um bom futebol.

Após a derrota por 4 a 2 para o Flamengo, no último domingo, Kleina cobrou Omar e o vice-presidente Maurício Galiotte para que o clube contrate jogadores, já que o elenco se enfraqueceu muito com a saída de importantes jogadores como o zagueiro Henrique e o atacante Alan Kardec. O Palmeiras ainda não conseguiu contratar jogadores que conseguissem suprir a carência nas posições.

O treinador ouviu dos dirigentes que tudo está sendo feito para que os reforços cheguem, mas a situação financeira do clube é delicada, por isso pediram paciência ao treinador. Kleina está incomodado e ciente de que mais resultados ruins devem ocasionar sua demissão, por isso ele cobra mudanças emergenciais.

Reunião

Três fatores ajudam a manter Kleina no Palmeiras: o financeiro, a falta de opção no mercado e o bom relacionamento dele com o elenco. Para demitir o treinador, o Palmeiras precisa pagar três meses de salário como multa contratual, algo que daria em torno de R$ 900 mil. Além disso, falta consenso entre a diretoria de quem poderia substituí-lo. As opções lembradas são consideradas muito caras ou que não teriam capacidade de assumir o time.

Por fim, o treinador conta com um apoio muito grande do elenco e isso ajuda a amenizar o clima ruim no dia a dia. O meia chileno Valdivia, por exemplo, após o jogo contra o Flamengo, fez questão de comentar que o resultado foi por culpa dos jogadores, que entraram desligados no jogo. O goleiro Fernando Prass e o zagueiro Lúcio, os dois líderes do elenco, também sempre fazem questão de elogiar a postura e a forma com que Kleina trabalha com o grupo.

Leia tudo sobre: futebolesportepalmeirasgilson kleinatecnicopaulo nobre