Willian admite que 'jogo feio' também ajuda a vencer na Libertadores

Vencedor da competição continental com o Corinthians, o atacante ressalta que força na marcação é arma importante no torneio

iG Minas Gerais | THIAGO PRATA |

Willian é uma das armas do Cruzeiro que podem ficar no banco no clássico diante do Atlético
Washington Alves/Light Press
Willian é uma das armas do Cruzeiro que podem ficar no banco no clássico diante do Atlético

Qualidade técnica e aplicação tática foram alguns dos elementos cruciais para o Cruzeiro sagrar-se campeão brasileiro de 2013 e chegar às quartas de final da Libertadores de 2014. Mas se quiser conquistar a competição sul-americana, o empenho e a garra daqui para frente precisão ser ainda maiores. É o que atesta o atacante Willian, que sabe como poucos os caminhos para alcançar a taça.

Em 2012, o avante ajudou o Corinthians a faturar o troféu de campeão da América. Um dos trunfos para o sucesso foi a disposição de cada jogador na marcação, no combate e na recomposição. A partir desta forma de jogar, o Timão atingiu seu sonho. No Cruzeiro, o velocista espera repetir a dose. Por isso, prega atenção total na partida desta quarta-feira, contra o San Lorenzo (ARG), em Buenos Aires.

“Quando fui campeão com Corinthians, todo mundo marcava sem a bola. Ganhar de 1 a 0 era goleada. Aqui, temos uma equipe mais agressiva com a bola. Esperamos que na quarta-feira possamos trazer uma boa vantagem para Belo Horizonte”, disse Willian.

Para ele, o Cruzeiro precisará triplicar a raça e a vontade, ingredientes fundamentais para a receita de campeão da Libertadores. Nem que para isso seja necessário mudar um pouco a forma de atuar com a qual o time está acostumado.

“Não sabemos jogar retrancados. Mas eu um momento ou outro temos que voltar para ajudar na marcação, porque isso é Libertadores. Temos que jogar feio também. É mata-mata. Jogamos muito com a bola nos pés, temos intensidade. Mas nestes momentos, temos de saber dosar, tocar bem a bola e nos contra-ataques agredir”, salientou.

Willian atenta quanto às dimensões do gramado do estádio Nuevo Gasómetro, maiores que as do Mineirão. Por isso, prega atenção redobrada e pede que os celestes fiquem mais juntos uns dos outros. Pelo que a gente viu no vídeo, é um campo grande, creio que igual ao campo do Cerro. Temos que estar bem ajustados, próximos dos outros, porque isso facilita na marcação. E sair nos contra ataques com toques rápidos. Temos que ser inteligentes”, afirmou.

Leia tudo sobre: cruzeiroraposalibertadoreswilliansan lorenzo