Gentileza pra minimizar obras

Voluntários usarão típica hospitalidade mineira para orientar turistas no aeroporto de Confins

iG Minas Gerais | Thiago Nogueira |

Aulas. No último dia 26, começaram os treinamentos dos voluntários em todo o país
Taina Seixas / Agencia UnB
Aulas. No último dia 26, começaram os treinamentos dos voluntários em todo o país

Essa turma vai arregaçar as mangas para que tudo dê certo no maior evento esportivo já realizado no país. Os voluntários da Copa do Mundo vão atuar nos estádios, em pontos turísticos e de movimentação de torcedores, e terão um papel fundamental para orientar visitantes em locais onde obras ainda dividirão espaço com prestações de serviços.

Em Belo Horizonte, a principal preocupação das autoridades locais é com uma das portas de entrada da capital: o Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins. A ampliação do saguão de embarque, a construção do novo terminal e a expansão do pátio e da pista dificilmente ficarão prontos para o Mundial.

“O aeroporto, uma responsabilidade do governo federal e não estará pronto. Obviamente, o visitante não quer saber de quem é a responsabilidade. Mas nós utilizaremos nossa melhor característica: a hospitalidade. Teremos um grande número de voluntários, de pessoas trabalhando no aeroporto para receber bem os que chegarem. Essa é a nossa estratégia para diminuir o impacto das obras”, explicou o secretário municipal extraordinário para a Copa, Camillo Fraga.

Desde o último dia 26 de abril, os mais de 22 mil voluntários da Copa já estão passando por treinamentos em cada uma das 12 cidades-sede. Os cursos, que acontecem sempre nos fins de semana, são coordenados pela Universidade de Brasília (UnB), em parceria com o Corpo de Bombeiros, organizações de voluntariado e 17 instituições públicas de ensino. São aulas de segurança, primeiros socorros, turismo, integração e também mobilidade.

Intensivo. Os voluntários que optaram em trabalhar nos aeroportos terão que passar por um módulo extra. Ele terão que fazer um curso da Infraero para aprender assuntos relacionados à segurança, funcionamento e organização de um terminal.

O número de voluntários que trabalharão em Confins e nos outros aeroportos não foi divulgado. Mas a principal função é orientar os visitantes, principalmente quanto ao deslocamento para Belo Horizonte. Nos dias dos seis jogos da Copa na capital, haverá ônibus direto do aeroporto ao Mineirão.

No dia a dia do terminal, entre os empecilhos, segundo os passageiros, estão os tapumes usados para separar as áreas em obras do saguão e do estacionamento. Os usuários reclamam também das poucas opções de alimentação e das filas.

Comparecimento. No primeiro dia de treinamento dos voluntários em Belo Horizonte, na semana passada, eram esperados cerca de 2.000 pessoas, mas menos da metade compareceu.

Os pilares do programa de voluntários da Copa

Dsentro. Uma parte do programa é gerido pelo Comitê Organizador Local (COL), e a Fifa e vai atender a áreas como estádios, Centros de Treinamento de Seleções (CTSs) e Campos Oficiais de Treinamento (COTs).

Fora.  A outra parte do programa é de responsabilidade do Ministério do Esporte e das sedes – o Brasil Voluntário – focado no atendimento aos turistas e ao público em geral, em locais como as Fan Fests, aeroportos e pontos turísticos.

Mobilidade. O voluntário vai atuar orientando visitantes em pontos estratégicos de mobilidade, como estações de ônibus ou metrô.

Proximidades dos estádios. O voluntário vai auxiliar torcedores com informações sobre portões, assentos e estacionamentos e na organização do fluxo de entrada e saída dos torcedores.

Áreas de fluxo. O voluntário vai dar informações em áreas de grande movimentação de pessoas, como shoppings e pontos turísticos.

Aeroportos. É o primeiro contato com os visitantes, por isso, o voluntário terá que informar sobre a cidade, os jogos e o transporte.

Eventos paralelos. Os voluntários também vão atuar nas Fan Fests ou eventos de exibição pública. Eles também vão auxiliar jornalistas brasileiros e estrangeiros não credenciados nos centros abertos de mídia.

Especialistas. Atendem a áreas como imprensa, departamento médico e serviços de idioma.

Generalistas. Atendem as outras áreas de trabalho e têm foco no atendimento ao público em geral.

Números

22 mil pessoas se inscreveram para o programa em todo o país

1.500 voluntários é o número esperado para atuar em cada cidade-sede 4 fins de semana é o período de treinamento presencial dos voluntário

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave