Minientrevista

Javier Gaspar - Técnico Guaynabo Mets

iG Minas Gerais |

Norceca
undefined

Rivera deixa claro que o coletivo é a principal arma dos Mets, além do baixo número de erros na recepção. No entanto, a deficiência do time, mais acostumado a jogar com equipes de nível similar ao seu, será facilmente percebida quando a bola subir. “Jogamos com muito empenho, mas precisamos melhorar nosso saque se quisermos almejar algo bom”, diz.

Treinador do Guaynabo Mets desde a temporada 2012/2013, Javier Gaspar levou o time ao título nacional da liga porto-riquenha deste ano. O feito da equipe rendeu a indicação por parte da Norceca para a presença no Mundial 2014. O treinador está na equipe desde a temporada 2012/2013, quando assumiu a função após a saída do brasileiro Mauro Grasso. Gaspar era assistente de Grasso e não pensou duas vezes antes de aproveitar a oportunidade que surgiu em sua carreira. Depois de, na temporada de estreia, levar os Mets à final da liga porto-riquenha, Gaspar conseguiu melhorar a performance no ano seguinte, chegando a um título memorável, com uma campanha consistente, que rendeu indicação por parte da Norceca para a disputa do Mundial. Apesar da tranquilidade que aparenta do lado de fora da quadra, Gaspar exige muito de seus comandados e espera que o time jogue em seu melhor nível para tentar surpreender os principais concorrentes.

Quais são as expectativas para o Mundial?

São as mesmas de todos os campeonatos em que entramos. Nosso principal objetivo é jogar no nosso limite, pelo maior tempo possível. Fazendo tudo que pudermos dentro de quadra, os resultados virão de acordo com o que merecemos. Deixaremos que as vitórias apareçam se as circunstâncias permitirem.

A falta de experiência internacional pode ser prejudicial?

Como time, realmente não temos tanta rodagem fora do país. No entanto, temos jogadores que já jogaram em outras ligas, e essa aprendizagem deles pode ser útil para a nossa equipe durante o Mundial de Clubes. Acredito que isso não será um problema durante a competição.

O que pode ser considerado um bom resultado?

Acredito que jogar cada partida dentro da nossa capacidade estará de bom tamanho. Temos totais condições para isso e iremos atrás desta meta.

Vocês devem enfrentar, na primeira fase, Sada Cruzeiro ou Belogorie, da Rússia. Alguma preferência?

Não, nenhuma. Na verdade, gostaríamos de enfrentar os dois times. Seria um grande desafio para a nossa equipe, e tenho certeza de que iríamos evoluir bastante após essas partidas contra times tão competitivos.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave