Diop acusa torcida do Atlético de Madrid de racismo

Volante senegalês Papa Diop, do Levante, dançou na frente da torcida que o chamou de Macaco

iG Minas Gerais | Agência Estado |

Mais um caso de racismo foi registrado no Campeonato Espanhol. Uma semana após a polêmica da banana que Daniel Alves comeu, o volante senegalês Papa Diop, do Levante, disse ter sido chamado de macaco por torcedores do Atlético de Madrid na vitória de sua equipe por 2 a 0 neste domingo. O atleta, assim como o brasileiro do Barcelona não se intimidou e dançou na frente da torcida.

"Me chamaram de macaco e, por isso, imitei um macaco no fim do jogo", disse Diop, que desabafou, dizendo que não aguenta mais casos como este. "Estou cansado do racismo no futebol, e há muito tempo. Ia bater um escanteio e parte da torcida do Atlético começou a fazer gritos de macaco. Para responder, comecei a dançar, mas não insultei ninguém. Dancei como macaco para que as pessoas vissem o que aconteceu", completou, em entrevista ao jornal Marca.

O caso foi registrado já no final da partida entre Levante e Atlético de Madrid e, devido à confusão, que teve até mesmo uma pequena invasão de campo, o juiz decidiu encerrar a partida. Apesar disso, o senegalês disse que as manifestações da torcida foram frequentes desde o apito inicial.

"Esses gritos de macaco têm que parar. Escutei a torcida do Atlético dizer isso durante todo o jogo. Não tenho nada contra a torcida do Atlético, porque só uma parte gritou. Mas é uma provocação e me parece uma falta de respeito".

E apesar das ofensas vindas das arquibancadas, Diop, além de dançar, conseguiu ajudar o seu time a vencer o rival, atual líder do Campeonato Espanhol com 88 pontos.