MG será o único Estado do mundo na Conferência Mundial da Juventude

Terceira edição do evento internacional vai ser realizada no Sri Lanka; governo estadual vai apresentar as propostas dos jovens mineiros para os Objetivos do Milênio

iG Minas Gerais | Da Redação |

Minas Gerais é o único estado subnacional brasileiro presente na 3ª Conferência Mundial da Juventude, que será realizada na capital do Sri Lanka, Colombo, a partir desta terça-feira (6) até o próximo sábado (10). Cerca de 1,5 mil participantes, metade deles jovens de mais de 200 nações, vão se reunir no país asiático para compartilhar ideias, experiências e abordagens inovadoras para contribuir com o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio propostos pela Organizações das Nações Unidas (ONU).

Integrante da comitiva brasileira, o subsecretário de Juventude do Governo de Minas, Gabriel Azevedo, vai apresentar no Sri Lanka a carta redigida por jovens mineiros, que contém propostas para os Objetivos do Milênio pós 2015. O documento foi finalizado após a realização de 235 encontros municipais em Minas e da 3ª Conferência Estadual da Juventude, realizada em novembro de 2013 na cidade de Araxá, no Alto Paranaíba. Os eventos foram marcados pela participação do público jovem e por intensos debates.

“A ONU tem a iniciativa de construir os Objetivos do Milênio, que o Governo de Minas leva muito a sério. Colocamos essas discussões no âmbito das conferências da juventude, onde discutimos metas para Minas e pensamentos no pós 2015. Tudo isso virou um grande documento final que a ONU gostou e aprovou”, enaltece Gabriel Azevedo.

A carta (clique aqui para ler o documento na íntegra) traz mais de 70 objetivos, divididos em oito eixos temáticos: Erradicar a miséria e a fome, Educação de qualidade para todos, Igualdade entre gêneros, Reduzir a mortalidade infantil, Melhorar a saúde das gestantes, Combater a aids, malária e outras doenças, Qualidade de vida e respeito ao meio ambiente, Todo mundo trabalhando junto pelo desenvolvimento.

“É importante mostrar que estamos atentos ao pós 2015 e que Minas é o estado brasileiro que mais dá atenção aos Objetivos do Milênio”, destaca o subsecretário. Em julho de 2012, o Estado se tornou, segundo a ONU, a primeira região subnacional do mundo a propor e assinar novas e mais desafiadoras metas a serem cumpridas até 2015. Em 2008, Minas Gerais já havia superado cinco dos oitos Objetivos do Milênio previstos.

“Em Minas estão sendo traçadas metas mais ousadas para os Objetivos do Milênio e os jovens foram convocados para essa tarefa. A ONU não é um governo internacional, ela não obriga governos a fazerem as coisas. Ela dá diretrizes e aquelas pessoas que estiverem mais conectadas na linguagem global vão atrás”, esclarece Gabriel Azevedo. Ao final da Conferência Mundial da Juventude, um documento único, chamado Plano de Ação Colombo, vai congregar as contribuições dos jovens de todo o mundo.

Luta contra a Aids

Entre os integrantes da comitiva nacional que vai desembarcar no Sri Lanka está o estudante mineiro de Relações Internacionais, Diego Callisto, de 26 anos. Natural de Juiz de Fora, na Zona da Mata, o universitário foi um dos dois jovens escolhidos pela ONU para representar o Brasil na conferência.

Apesar da pouca idade, Diego Callisto tem um grande histórico na luta contra a Aids, tendo participado de inúmeros eventos e ações no Brasil e exterior. “Minha militância começou na luta contra a Aids. Desde quando fui diagnosticado com HIV comecei a trabalhar com os jovens em pautas regionais e na América Latina”, conta.

Integrante do Conselho Nacional da Juventude (Conjuve), Diego Callisto não participou das conferências realizadas em Minas, mas, em âmbito nacional, defendeu a definição de uma agenda de enfrentamento da Aids e a disseminação da educação sexual e reprodutiva, especialmente no ambiente escolar e para o público LGBT. “Participei de reuniões na Venezuela e Uruguai, em 2012 e 2013, respectivamente. Antes já tinha ido à Zâmbia e Zimbábue”, explica.

No país asiático, Diego Callisto, ao lado de um estudante paulista, vai representar a juventude brasileira. O mineiro vai levar as contribuições de jovens de todo o Brasil, descritas em uma carta, para a discussão dos Objetivos do Milênio. “A carta é fruto de um mecanismo de escuta feito ao longo do tempo no Brasil, inclusive com consulta pública”, esclarece.