Em BH, coleta seletiva engatinha

Serviço é oferecido há sete anos e passou de 30 para 35 bairros atendidos nesse período

iG Minas Gerais | Joana Suarez |

Renda. A catadora Kátia Santos separa o que pode ser reciclado do lixão de Esmeraldas e vende por R$ 30 a tonelada
DENILTON DIAS / O TEMPO
Renda. A catadora Kátia Santos separa o que pode ser reciclado do lixão de Esmeraldas e vende por R$ 30 a tonelada

“Viemos pela fome, depois descobrimos o meio ambiente. Hoje eu sei que 50 kg de papel reciclado substitui uma árvore”, afirmou a catadora de material reciclável, Maria das Graças Marçal, 64, que trabalha no ramo há mais de 50 anos. A consciência ambiental que a humilde Dona Geralda (como ficou conhecida) tem ainda não atinge a população belo-horizontina, já que os tímidos investimentos da prefeitura em coleta seletiva não surtem efeito. O serviço foi implantado há sete anos em 30 bairros da cidade. Atualmente, são 35 – crescimento de 16% –, mas não representa 10% da capital.

O material recolhido nos 35 bairros da cidade é levado para 11 cooperativas de catadores que faz a separação e vendem para indústrias. Graças a isso, os resíduos são transformados em matéria-prima para produzir novos produtos. Dona Geralda é presidente da Associação dos Catadores de Material Reciclável (Asmare) e criou 12 filhos nessa atividade. Ela acredita que falta incentivo da prefeitura para que a coleta seja ampliada e as cooperativas cresçam. “As pessoas pensam em criar as embalagens, mas não se preocupam com o destino que elas vão ter. O que a gente faz aqui era para ser responsabilidade dos prefeitos”, afirma Geralda.

Em Esmeraldas, na região metropolitana de Belo Horizonte, 22 catadores tiram seu sustento se arriscando diariamente no lixão. O sonho deles é poder ir para um galpão e fazer a separação do material reciclável como acontece na capital, mesmo que de forma tímida. “Isso, sim, é coisa de Primeiro Mundo. Mas até lá eu fico aqui catando o que o povo joga fora e ajudando o meio ambiente. Muitos não têm coragem de fazer o que eu faço há 20 anos”, contou a catadora Kátia Aparecida dos Santos, 44.

Em média, os catadores de Esmeraldas retiram 30% do lixo que é enviado para o local e dão outro destino aos resíduos. Eles contam que, hoje, as pessoas começaram a reconhecer o trabalho deles na cidade. “Se não fosse a gente, esse lixão estaria transbordando. Algumas pessoas já mandam o material reciclável numa sacolinha separada, e outras até entregam aqui. Era para todo mundo fazer isso, né?”, indaga Kátia.

Atrasado. Na capital mineira, menos de 1% do lixo produzido é reciclado. Cerca de 3.000 toneladas (peso equivalente a 2.700 carros populares) são enviadas diariamente ao aterro sanitário de Sabará, na região metropolitana. Enquanto o catador vende cada tonelada de material reciclável por cerca de R$ 30, a prefeitura paga o mesmo valor para aterrar na cidade vizinha.

Para Cláudio Cançado, engenheiro sanitarista, o próprio aterro sanitário, que é visto como solução no Brasil já é algo ultrapassado em países desenvolvidos. “O aterro tem data para acabar, é uma solução a curto prazo. Não dá para continuar aterrando tudo sem pensar em reciclar e reduzir o lixo”. Segundo ele, o ideal é trabalhar com soluções integradas: reciclagem, incineração e compostagem do lixo orgânico.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave