Preferência de compras do setor

iG Minas Gerais |

O governo federal anunciou que vai aplicar a margem de preferência para compras licitadas de máquinas e equipamentos para 234 posições tarifárias. A medida foi publicada em abril no Decreto 8.224. Existem duas margens de preferência. Uma para ser aplicada apenas em produtos produzidos no Brasil, conforme as regras de origem estabelecidas pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Essa margem vai variar de 15% a 20%. A outra margem – com variação entre 20% e 25% – vai para produtos que tenham sido desenvolvidos no país. A medida é uma forma de compensar as perdas do setor da indústria que produz máquinas e equipamentos, que vem sofrendo nos últimos anos com a invasão crescente de importados asiáticos – sobretudo da China. “Sabemos que as medidas ainda não resolvem todos os problemas de competitividade da indústria de máquinas e a Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) continuará apresentando propostas para aumentar a nossa competitividade”, opinou o presidente da Abimaq, Luiz Aubert Neto.

O diretor regional da entidade em Minas, Marcelo Veneroso, elogiou a medida, mas lamentou o fato dela excluir uma cadeia importante para o setor, já que as empresas que fornecem equipamentos para a Petrobras – uma das principais compradoras do setor no país – não serão beneficiadas pela medida. “É preciso que a empresa volte a comprar utilizando a Lei 8666, para que toda a cadeia da indústria de petróleo e gás esteja inserida dentro desse decreto”. Segundo ele, a estatal tem comprado de fornecedores de outros países como os EUA e a China. (PG)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave