Mundial reunirá ex-colegas

Passagem de Mauro Grasso pelo Guaynabo Mets foi proveitosa, mas sem grandes resultados

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

Parceria. Brasileiro Mauro Grasso foi técnico do Guaynabo Mets, e seu assistente era o atual treinador dos caribenhos, Javier Gaspar
ALEXANDRE GUZANSHE/O TEMPO
Parceria. Brasileiro Mauro Grasso foi técnico do Guaynabo Mets, e seu assistente era o atual treinador dos caribenhos, Javier Gaspar

Um pouco sumido do cenário nacional do vôlei nas últimas temporadas, Mauro Grasso vive um outro momento na carreira. O treinador, que já comandou equipes tradicionais do Brasil, como Pinheiros e Minas, agora foca um projeto para atuar com jovens nos Estados Unidos, vislumbrando uma futura possibilidade como treinador da seleção norte-americana.  

Enquanto o visto não sai, Mauro planeja uma passagem por Belo Horizonte para acompanhar o Mundial de Clubes, que começa na próxima segunda-feira. Na capital mineira, Grasso vai encontrar grandes amigos da modalidade, como é o caso do preparador físico do Sada Cruzeiro, Fábio Correia.

Além disso, o técnico vai estar ao lado de antigos comandados do Guaynabo Mets, time de Porto Rico, que disputará o torneio pela primeira vez, incluindo aí o parceiro Javier Gaspar, hoje técnico do time, ex-assistente do brasileiro.

Na temporada 2010/2011, Grasso esteve à frente dos Mets, em um período de muito aprendizado, mas de poucos resultados.

“Cheguei lá para ‘apagar um incêndio’ e tentar levar o time ao título nacional. Eles tiveram muitos problemas nos dois anos anteriores e o primeiro lugar era o grande objetivo. Mas as condições não eram as melhores, e o máximo a que chegamos foi a semifinal”, lembra Grasso, que revela ter, de uma forma geral, atendido as expectativas dos principais envolvidos do time, com exceção do presidente. “Ele era uma figura muito particular e achou que seu nome foi afetado, já que ele estava à frente do projeto. Coisas do esporte”, revela.

Para o Mundial, Grasso acredita que o time não deve incomodar as principais forças, mas pode sair com uma vitória e muitos ensinamentos sob o comando de Javier Gaspar, que foi seu assistente na passagem pelo Caribe.

“Na minha saída, falei com a direção que ele era o cara para assumir o time e que eles precisavam confiar em sua capacidade. Criamos uma grande amizade. Ele é um conhecedor do vôlei, tem um bom senso extraordinário e é muito calmo, até parecido comigo em alguns aspectos”, elogia.

Seleção devolve resultado e vence Sada sem estrelas

O Dia do Trabalhador não foi de descanso para o Sada Cruzeiro. Perto da estreia no Mundial de Clubes, os atletas celestes fizeram mais um amistoso contra a seleção brasileira. Mas, apesar do bom começo, o Sada acabou derrotado por 3 sets a 1, com parciais de 25/16, 26/28, 25/27 e 21/25, no Mineirinho. Na partida anterior, o time mineiro venceu a seleção canarinho com o mesmo placar. A grande ausência do jogo foi o ponteiro Leal, que torceu o tornozelo no primeiro jogo. Porém, ele fez exames que não constataram nenhuma lesão grave. Por isso o cubano deve enfrentar o Guaynabo Mets, de Porto Rico, na próxima segunda-feira. O Sada começou bem no primeiro set, com sua formação titular, mas depois Marcelo Mendez optou por descansar os titulares e usou os reservas a partir da terceira etapa. Um quinto set foi disputado e vencido pela seleção.

 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave