Sensualidade visita o cinema

Como continuidade do projeto Som Clube, Thiago Pethit se apresenta gratuitamente nesta sexta, na Praça da Savassi

iG Minas Gerais | Vinícius Lacerda |

Repertório. Diferente de seus outros shows na capital mineira, o cantor apresenta músicas de filmes do diretor David Lynch
Remulo Brandao
Repertório. Diferente de seus outros shows na capital mineira, o cantor apresenta músicas de filmes do diretor David Lynch

A carreira do cantor Thiago Pethit começou com sua mudança para Buenos Aires. Lá, teve como professora de música a experiente Maria de La Fuente, que lhe ensinou a usar tonalidades de sua voz de forma sensual. Na opinião dela, a sensualidade era o forte do aprendiz. Depois da prática e guiado pelo conselho, ele lançou três discos cujos shows já foram apresentados em Belo Horizonte, todos com boa receptividade.

Agora, ele retorna para participar do projeto Som Clube, que propõe uma série de apresentações musicais ao ar livre, na praça da Savassi. Desta vez, porém, Pethit traz um repertório inédito para o público mineiro, quase integralmente composto por músicas que povoam os filmes do diretor de cinema norte-americano David Lynch.

A ideia desse repertório surgiu ao mesmo tempo em que trabalhava em seu último álbum, “Estrela Decadente”, de 2012. “De alguma forma, eu me vi inspirado pelo universo particular e surrealista que Lynch cria em seus filmes. Desse fascínio, nasceu a vontade de fazer um show baseado nestas trilhas”, explica Pethit.

Apresentado apenas no festival Tudo É Jazz, de Outro Preto, e uma única vez em São Paulo, o show conta com apenas uma canção assinada por ele: “Devil in Me”. “Resolvi incluir essa música pois ela dialoga com as outras”, explica o cantor.

Entre as músicas que ele apresenta estão “Blue Velvet”, de Bobby Vinton, e “Love Letter”, de Ketty Lester, ambas vindas do filme “Veludo Azul” (1986). Completam o repertório “Love me Tender”, que ganhou grande repercussão ao ser interpretada por Elvis Presley, e “I Put a Spell on You”, do músico Screamin’ Jay Hawkins.

“Esse show faz parte de um projeto especial para situações também especiais”, comenta o intérprete.

E se por acaso alguém pedir para tocar “Mapa-Mundí”, sucesso que o tornou conhecido, provavelmente ficará decepcionado. Não porque o cantor tenha algum problema em cantá-la. “Acho que todo o artista tem que evoluir e as músicas representam essa evolução. Quando faço uma música, é porque preciso evoluir na minha vida e não no mercado. Mas não tenho problema algum de revistar a minha ‘Anna Júlia’”, brinca Pethit, ao fazer referência com o marcante sucesso da extinta banda Los Hermanos.

Performance. Independente do show, sua voz macia misturada aos movimentos “desengonçados” (como o próprio descreve) dão um toque sensual a cada música. Para ele, é um aspecto não necessariamente planejado, mas consequência de seu entendimento sobre o que seja uma apresentação. “Fazer show é uma maneira de fazer sexo, porque envolve liberdade e também improvisação. As coisas acontecem porque tem que acontecer naquele momento. Ao mesmo tempo, é uma energia muito grande e uma intimidade compartilhada entre as pessoas. É quase uma suruba”, compara Pethit.

Para ele, é uma transformação que sente ao subir no palco, porque no dia a dia sente-se “muito sem graça, tímido e muito regrado”, comenta o cantor, que faz questão de ressaltar seu carinho pelo público mineiro. “Acho Belo Horizonte sensacional, talvez um dos lugares em que as pessoas melhor compreendam meu trabalho”, comenta.

Sobre um novo álbum, Pethit afirma que não tem data de lançamento, mas está a caminho. “Ainda não tenho nenhuma informação concreta, mas já tenho muitas músicas novas que continuam na linha rock, da exploração da sexualidade e provavelmente com um som mais barulhento”, afirma .

Agenda

O quê. Projeto Som Clube com Thiago Pethit

Quando. Nesta sexta, às 18h30

Onde. Praça da Savassi (rua Antonio de Albuquerque, s/nº, Savassi)

Quanto. Entrada franca

Discografia

Discos:

– “Estrela Decadente” (2012)

– “Berlim, Texas” (2010)

– “Em Outro Lugar” (2008) Singles avulsos:

– “So Long, New Love” (2011)

– “A Montanha Mágica” (2013)

– “Na Rua Agora” (2012)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave