45% dos trabalhadores da educação estão em greve

Na última terça (29), cerca de 400 servidores municipais da educação participaram de ato na praça das Jabuticabas, no centro, e seguiram até a Câmara Municipal

iG Minas Gerais |

Ato público. 

Cerca de 400 servidores grevistas caminharam pelas ruas do centro, para manifestar a insatisfação com a proposta da prefeitura
camila martuchelli
Ato público. Cerca de 400 servidores grevistas caminharam pelas ruas do centro, para manifestar a insatisfação com a proposta da prefeitura

A greve deflagrada pelos trabalhadores da educação de Contagem continua. Segundo dados da secretaria municipal da Educação a paralisação atingiu a 45% das escolas. Após receber a primeira proposta formal para a campanha salarial de 2014 do governo municipal, o comando de greve dos trabalhadores em educação de Contagem realizou na última terça-feira (29) mais uma assembleia geral na praça das Jabuticabas, no centro da cidade.

Mesmo com a proposta formalizada da prefeitura que oferece 5,8% de reajuste com base na inflação, os trabalhadores em educação de Contagem continuam em greve. De acordo com o Sindicato Único dos Trabalhadores da Educação (Sind-UTE) cerca de 400 servidores municipais da educação participaram do ato, realizado pelo Sind-Ute Contagem e que culminou na caminhada até a Câmara Municipal de Contagem. No legislativo contagense, os trabalhadores pediram o direito de se expressarem na Tribuna Livre, o que foi concedido, mas para a próxima sessão plenária que acontece na próxima terça-feira (6). A intenção dos grevistas é que os vereadores possam interceder por eles na prefeitura, para que as negociações sejam reabertas.

Durante o ato, os presentes entoaram paródias e gritos de ordem como “Educação em greve, Carlin você me deve” e "”A greve continua, Carlin a culpa é sua”. Vale destacar que acontecem movimentos também nas cidades da região, com greves em Betim, Santa Luzia e, provavelmente, em Belo Horizonte.

A assembleia dos trabalhadores grevistas aprovou também a participação no ato político em defesa da greve “50 Anos da Ditadura Militar” e “Memória da Greve de 68”, a ser realizado no dia 5 de maio às 14 horas.

Apoio estudantil

Ágatha Ribeiro, aluna do 2º ano da Funec (Fundação de Ensino de Contagem) – Unidade Cruzeiro do Sul, representou os estudantes da instituição no ato. “Nós, estudantes da rede municipal, também apoiamos o movimento dos professores e todos os trabalhadores da educação. Por isso, resolvemos fazer uma paralisação em nossa escola, mesmo que a diretoria tenha nos repreendido”, disse aos presentes na manifestação no centro de Contagem.

Ainda segundo a aluna, além de apoiar a valorização dos servidores da educação, o movimento dos estudantes também cobra a melhoria da estrutura das unidades da Funec. “Estudamos em uma escola em que falta material, mobiliário e espaço, faz com que os professores não possam nos dar aulas mais dinâmicas”, lamentou.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave