Gilvan volta a reclamar de arbitragem brasileira e promete cobrar CBF

Presidente revelou que ainda não teve tempo de protestar na CBF, mas que ainda pretende conversar com mandatário da entidade

iG Minas Gerais | Diego Costa |

Esportes - Desembarque da delegacao do Cruzeiro no Aeroporto de Confins , Regiao Metropolitana de Belo Horizonte MG, A equipe venceu ontem (29)  o Cerro Porteno em Assuncao , por 2 a 1 pelas oitavas de final da Copa Libertadores da America . Na foto: Presidente do Cruzeiro Gilvan de Pinho Tavares . Foto: Alex de Jesus/O Tempo 01/05/2014
ALEX DE JESUS/O TEMPO
Esportes - Desembarque da delegacao do Cruzeiro no Aeroporto de Confins , Regiao Metropolitana de Belo Horizonte MG, A equipe venceu ontem (29) o Cerro Porteno em Assuncao , por 2 a 1 pelas oitavas de final da Copa Libertadores da America . Na foto: Presidente do Cruzeiro Gilvan de Pinho Tavares . Foto: Alex de Jesus/O Tempo 01/05/2014

Em meio ao clima de euforia e festa em Confins pela classificação na Copa Libertadores, o presidente Gilvan de Pinho Tavares voltou a comentar o jogo contra o São Paulo, no último domingo. O Cruzeiro reclamou da arbitragem do carioca Wagner do Nascimento Magalhães, que teria marcado uma falta inexistente no atacante Luis Fabiano. O lance originou o gol de empate tricolor no confronto. As duas equipes empataram por 1 a 1 em Uberlândia. 

No entanto o dirigente celeste afirma que ainda não teve tempo de fazer um protesto contra o erro do juiz na partida. 

"Não deu tempo, mas eu quero conversar com o presidente da CBF. Não é possível essas coisas continuarem a acontecer. É preciso eles reunirem com o chefe da arbitragem aqui no Brasil, porque não pode acontecer de continuar o favoritismo para equipes dos estados deles. A gente faz time, e a gente fazer plantel em condição de ganhar título, não é possível que eles vão querer ganhar da gente na base da arbitragem", desabafou Gilvan. 

O dirigente teme que os clubes de Minas sejam prejudicados por erros de arbitragem durante a disputa do Brasileirão.

"O presidente da CBF tem de ter responsabilidade sobre isso. A gente apoiou, prestigiou, mas tem limite para a gente tolerar essas coisas. Times de Minas não podem ser prejudicados porque juiz tem receio de apitar contra time do estado do presidente da CBF", completou o dirigente. 

Leia tudo sobre: Gilvan de Pinho TavaresfutebolCruzeiroCBFPresidentearbitragem